quarta-feira, 26 de abril de 2017

CD Jorge Vercillo Vida é arte

Ser feliz é uma questão de acontecência. Foi esta frase, desta belíssima canção de Jorge Vercillo, que ouvi no ano passado nas rádios, que me fez comprar seu mais recente trabalho. Este CD lançado ano passado e que reúne 13 canções, com algumas valiosas parcerias e o sempre belo cantar deste grande músico que conquista o país a cada disco lançado.

Além da belíssima Acontecência, temos Pra valer, Talismã sem par, Quem (com Luana Mallet), Silêncio da favela (com Carlinhos Brown), Vida é arte, Noite dos jangadeiros, Amparados, Permissão, Luzes que se movem pelo céu (parceria com Flávio Venturini), Pode ser (já gravada anteriormente por Pedro Mariano), Desafio e Cegueira da visão.

Em uma época em que poucos artistas ousam lançar novas canções e menos ainda acertam, tá aqui um bom trabalho de um grande profissional que mostra onde segue o caminho para se acertar na retomada da sempre boa música brasileira.

Um forte abraço a todos!

domingo, 23 de abril de 2017

♫Do fundo do meu coração♫

Essa é uma das minhas preferidas do Roberto e ficou ainda mais preferida depois que ele voltou a cantá-la em 2009. Prova que ele tem muitas belíssimas canções e esta é mais uma delas perdidas dos anos 80, que alguns até comentam que já não apresentava boas safras. Joanna também a gravou, assim como Daniel, Leonardo e, Adriana e Erasmo em uma versão que dispensava o refrão. O mesmo fez a cantora quando cantou sozinha no Elas cantam Roberto.

A letra de Do fundo do meu coração fala do fim de uma relação, de forma dolorosa, mas com todos os elementos que este momento traz à vida de qualquer pessoa que ama ou é amada, como a insegurança na decisão, a vontade de não voltar atrás e muitas vezes o reconhecimento de que esta vontade é maior. O lado humano de quem ama e deseja juntar os cacos, os estilhaços e recomeçar longe daquele amor, apesar de toda fragilidade e de um sentimento ainda presente.

Do fundo do meu coração
Roberto Carlos e Erasmo Carlos

Eu, cada vez que vi você chegar,
Me fazer sorrir e me deixar,
Decidido eu disse: nunca mais.
Mas, novamente, estúpido, provei
Desse doce amargo quando eu sei
Cada volta sua o que me faz.

Vi todo o meu orgulho em sua mão,
Deslizar, se espatifar no chão.
Vi o meu amor tratado assim.
Mas basta agora o que você me fez.
Acabe com essa droga de uma vez,
Não volte nunca mais para mim.

Mais uma vez aqui,
Olhando as cicatrizes desse amor.
Eu vou ficar aqui,
E sei que vou chorar a mesma dor.
Agora eu tenho que saber
O que é viver sem você.

Eu, toda vez que vi você voltar,
Eu pensei que fosse pra ficar,
E mais uma vez falei que sim.
Mas, já depois de tanta solidão,
Do fundo do meu coração,
Não volte nunca mais pra mim.

Mais uma vez aqui,
Olhando as cicatrizes desse amor.
Eu vou ficar aqui,
Eu sei que vou chorar a mesma dor.

Se você me perguntar se ainda é seu
Todo meu amor, eu sei que eu
Certamente vou dizer que sim.
Mas, já depois de tanta solidão,
Do fundo do meu coração,
Não volte nunca mais para mim.
Do fundo do meu coração,
Não volte nunca mais para mim.

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 19 de abril de 2017

O livro do Armindo Guimarães

Hoje é mais um dia onde se comemora o aniversário do Roberto Carlos, este grande artista que escreveu na música brasileira as páginas mais românticas que esta possui. Vida longa ao rei e vida longa também aos fãs do rei que estão comemorando com ele seu aniversário em Portugal. E, ao se falar desta terra de onde descendemos todos os brasileiros, me vem a mente o Armindo Guimarães que, pra quem não conhece, é o maior fã do rei em terras lusitanas.

Armindo escreve bate-papos telefônicos fictícios entre ele e o Roberto e também entre ele e o maestro Eduardo Lages desde 2005 e os reuniu neste livro que resolveu presentear alguns fãs do Roberto, além do próprio. E não é que entre estes fãs, fui escolhido? Com muito humor, como é sua marca, ele mandou em novembro do ano passado e de tanto demorar, pensei que nem receberia mais, pelas atrapalhadas dos Correios e não é que chegou? E estou me divertindo bastante lendo suas histórias tão suas, mas que acabam sendo nossas, pois ele expõe uma criatividade ímpar ao juntar estas letras e se tornar feliz com isso, conseguindo contagiar a todos!

E agora? Aprendi que um prato de doces se devolve com um prato de salgados. Desesperado, pois não sou bom na cozinha, não fiz livro, não gravei cantando, nem tocando! Como retribuir a este ser de uma essência tão pura, doce e amistosa? Ao menos considere uma tentativa este pequeno relato e esta cara de bobo ao ser merecedor de um presente que atravessou o oceano, assim como faz minha admiração por ele. Don Armindo, só posso pedir a Deus que o retribua por tamanha generosidade e vontade de despertar um sorriso em cada amigo que o conhece! Coisas de Roberto Carlos: conseguir despertar nossa admiração por ele e por quem nutre admiração por ele também.

Um forte abraço a todos!

domingo, 16 de abril de 2017

♫Olha♫

Essa é daquela que faz parte de uma lista de grandes declarações de amor. Olha é original de 1975 e já foi regravada por vários bons intérpretes: de Maria Bethânia, a Chico Buarque e Erasmo Carlos, de Alcione e Ângela Maria, passando por Cauby Peixoto, até Eduardo Lages em uma versão instrumental, e muitos outros já imprimiram sua marca nesse verdadeiro clássico do Roberto. Curioso é que, de tantas gravações ao vivo que este fez, esta pérola ainda não mereceu uma nova releitura sua, embora sempre a cante cada vez mais com uma delicadeza ímpar em seus shows.

Mas, engana-se quem pensa que a letra de Olha fala daquele amor fantasia, que só se encontra nos contos de fadas. A canção cita os problemas, os estresses, a inconstância de um casal, mas, ao mesmo tempo propõe que tudo pode ser resolvido com uma boa esperança de seguirem uma estrada de amor e paz e confiança no que há de vir onde qualquer problema é superado quando existe e se vivencia o amor. Como se os caminhos fossem de pedra, mas que levam a lugares fascinantes na terra onde o amor sempre reina.

Olha
Roberto Carlos e Erasmo Carlos

Olha, você tem todas as coisas
Que um dia eu sonhei pra mim
A cabeça cheia de problemas
Não me importo, eu gosto mesmo assim

Tem os olhos cheios de esperança
De uma cor que mais ninguém possui
Me traz meu passado e as lembranças
Coisas que eu quis ser e não fui

Olha, você vive tão distante
Muito além do que eu posso ter
Eu que sempre fui tão inconstante
Te juro, meu amor, agora é pra valer

Olha, vem comigo aonde eu for
Seja minha amante e meu amor
Vem seguir comigo o meu caminho
E viver a vida só de amor

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 12 de abril de 2017

CD Djavan Vidas pra contar

Djavan é um dos poucos artistas que lançam novos trabalhos colhendo êxitos como no passado. Se alguns de seus últimos álbuns não confirmarem isto que estou falando, basta então ouvir o seu mais recente trabalho lançado em 2015, com o título de Vidas pra contar. Sem esquecer suas raízes, ele começa o CD cantando o povo nordestino e sua cultura com a belíssima Vida nordestina.

Mas, o que mais me encanta em todo cantor e com ele não seria diferente, é a capacidade de criar e interpretar novas canções românticas. Neste sentido estamos diante de belas canções, algo raro hoje em dia, mesmo por astros consagrados, como é o caso de Não é um bolero, O tal do amor, Encontrar-te e Primazia. Aquela "batida djavan" tá cada vez mais perfeita e presente em Só pra ser o sol, Aridez, Enguiçado, Se não vira jazz e Ânsia de viver.

Completam o álbum a homônima Vidas pra contar e a autobiográfica Dona do horizonte, uma belíssima homenagem à sua mãe, sem fazer apelação a sentimentalismos, mas com a verdadeira doçura que o tema pede. Está aqui uma ótima pedida para o dia das mães e não apenas isso, estamos diante de um dos melhores discos, se não o melhor lançado por um artista do Brasil nos últimos dez anos. 

Um forte abraço a todos!

domingo, 9 de abril de 2017

♫Caminhoneiro♫

Eu já havia postado esta canção antes como tema comemorativo pelo dia do caminhoneiro, que acontece todo 30 de junho. Mas, agora quero falar sobre a importância dessa canção que, para mim foi uma espécie de gênese musical, pois começo contando minha relação com a música desde 1984, quando Roberto lançou esta canção e meu pai, também caminhoneiro, comprou o disco. Eu, então com 4 anos de idade, decorei e cantava toda aquela extensa letra, pensando no meu pai nas estradas como o via, com aquele caminhão bem grande que me dá uma certa inveja, pois ainda sonho em dirigir um assim.

Gosto muito do arranjo, da canção, de tudo o que fala esta letra. Um cara apaixonado que vive buscando seus horizontes país afora e principalmente o melhor deles que é o abraço e o amor de sua amada. Dizem que na prática é pouco provável isso acontecer, que os caminhoneiros são uns verdadeiros "puladores de cerca", mas penso que ao menos vale uma letra tão bela, também interpretada por Chitãozinho e Xororó (com belas frases de gaita), Adriana Calcanhoto e, no projeto Emoções sertanejas, voltou a me emocionar por ser cantada por Paula Fernandes e pelo saudoso Dominguinhos e sua tocante sanfona!

Caminhoneiro
John Hartford, Roberto Carlos e Erasmo Carlos

Todo dia quando eu pego a estrada
Quase sempre é madrugada
E o meu amor aumenta mais
Porque eu penso nela no caminho
Imagino seu carinho
E todo o bem que ela me faz

A saudade então aperta o peito
Ligo o rádio e dou um jeito
De espantar a solidão
Se é de dia eu ando mais veloz
E à noite todos os faróis
Iluminando a escuridão

Eu sei
Tô correndo ao encontro dela
Coração tá disparado
Mas eu ando com cuidado
Não me arrisco na banguela

Eu sei
Todo dia nessa estrada
No volante eu penso nela
Já pintei no pára-choque
Um coração e o nome dela

Já rodei o meu país inteiro
Como um bom caminhoneiro
Peguei chuva e cerração
Quando chove o limpador desliza
Vai e vem no pára-brisa
Bate igual meu coração

Doido pelo doce do seu beijo
Olho cheio de desejo
Seu retrato no painel
É no acostamento dos seus braços
Que eu desligo meu cansaço
E me abasteço desse mel

Eu sei
Tô correndo ao encontro dela
Coração tá disparado
Mas eu ando com cuidado
Não me arrisco na banguela

Eu sei
Todo dia nessa estrada
No volante eu penso nela
Já pintei no pára-choque
Um coração e o nome dela

Todo dia quando eu pego a estrada
Quase sempre é madrugada
E o meu amor aumenta mais
Olho o horizonte e vou em frente
To com Deus e to contente
O meu caminho eu sigo em paz

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Os Intérpretes do Brasil - 53

Gosto do Lenine como cantor, compositor, músico, pernambucano atuante no cenário musical nacional. E gosto do Lenine como intérprete, embora ouvi dizer que o próprio se considera bastante tímido ao interpretar algo dos outros. Talvez o zelo e a perfeição que imprime em seu trabalho não o deixe muito confortável em navegar por mares alheios.

Mas, penso que isso pode ser revisto, pois basta observar as poucas vezes que ousou gravar algo de outro compositor e constatar o sucesso nesse propósito. Como exemplo recente, podemos citar a regravação de Começaria tudo outra vez, de Gonzaga Jr. que, a meu ver, ficou definitivo em sua voz. E o que ele fez com A raposa e as uvas, de Reginaldo Rossi? Ficou mais leve, mais bonita de se cantar junto com ele.

Também considero definitiva a versão acústica de Na rua na chuva na fazenda que ele fez com o grupo Kid Abelha, no acústico MTV da banda. A tirar pelas interpretações de Vida de viajante e Qui nem jiló, ele bem que poderia pensar em ser o próximo artista a dedicar um disco inteiro ao rei do baião e essas e outras constatações só são possíveis quando estamos diante de grandes intérpretes como também é o caso do nosso "leão do norte".

Um forte abraço a todos!

domingo, 2 de abril de 2017

♫Amante à moda antiga♫

Abril é o mês de aniversário de Roberto Carlos e como de costume, reservamos este mês para comentarmos sobre suas grandes canções, verdadeiras trilhas sonoras que fazem parte da vida de muitos brasileiros e até estrangeiros, já que o alcance da sua obra não esbarra em muitas fronteiras. Hoje, vamos ao ano de 1980 e ao clássico Amante à moda antiga, canção já gravada em instrumental por Eduardo Lages, mas não muito regravada por outros intérpretes. Agnaldo Timóteo foi um dos poucos que regravou esta canção em seu disco em homenagem ao rei.

Um perfeito fox, com o auxílio luxuoso de uma big band, talvez a ausência de muitas regravações, como é costumeiro na obra de Roberto se dê pelo fato da canção ser muito sua cara, fala dos amores de antigamente, com direito a flores, amasso no portão, amores que admiram a noite e sonham com suas amadas, cartas de amor, beijos nas mãos, manchas de batom e muitos outros cavalheirismos que encontramos nesta perfeita canção, que Sinatra interpretaria como algo de seu repertório sem nenhuma contestação.

Amante à moda antiga
Roberto Carlos e Erasmo Carlos

Eu sou aquele amante à moda antiga
Do tipo que ainda manda flores
Aquele que no peito ainda abriga
Recordações de seus grandes amores

Eu sou aquele amante apaixonado
Que curte a fantasia dos romances
Que fica olhando o céu de madrugada
Sonhando abraçado à namorada

Eu sou do tipo de certas coisas
Que já não são comuns nos nossos dias
As cartas de amor, o beijo na mão
Muitas manchas de batom daquele amasso no portão

Apesar de todo o progresso
Conceitos e padrões atuais
Sou do tipo que na verdade
Sofre por amor e ainda chora de saudade

Porque sou aquele amante à moda antiga
Do tipo que ainda manda flores
Apesar do velho tênis e da calça desbotada
Ainda chamo de querida a namorada

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 29 de março de 2017

Olhando as estrelas - 63

O Brasil seria um país mais justo e feliz culturalmente falando se valorizasse mais artistas como estes que figuram hoje na série Olhando as estrelas. Agnaldo Rayol e Ângela Maria são duas das vozes mais lindas de todos os tempos da nossa música e se encontraram várias vezes no decorrer de suas carreiras.

Ambos já participaram de projetos um do outro e gravaram diversas canções, entre elas, Ave Maria do morro e Gente humilde, só pra destacar algumas delas. Convenhamos que caberia um, dois, vários discos em dupla com suas vozes que casam tão bem.

Sem sombra de dúvidas, a série acerta ao destacar o encontro dessas duas estrelas que possuem carreiras e vozes marcantes e que juntos nos proporcionaram muitas lágrimas vindas de suas belíssimas e emocionantes interpretações.

Um forte abraço a todos!

domingo, 26 de março de 2017

♫Se eu não te amasse tanto assim♫

Essa é uma das canções mais lindas dos últimos anos. Gravada e imortalizada por Ivete Sangalo, até hoje a considero sua melhor música. Gravada também por Roberto Carlos, em dueto com Ivete em seu especial de 2004, Fábio Jr. e também pelos Paralamas do Sucesso, já que Herbert Viana é um de seus autores, juntamente com Paulo Sérgio Valle, tornou-se um dos hits mais executados dos anos 2000.

Pudera, afinal a letra e a melodia desta canção, juntamente com seu arranjo são fascinantes. Aquele piano, aquele amor arrebatador, imenso, maior, único, verdadeiro e existente, mesmo com tantas dúvidas alheias. A certeza de que amar alguém é possível e perfeitamente explicável em poesias cantadas e sussurradas assim.

Se eu não te amasse tanto assim
Herbert Viana e Paulo Sérgio Valle

Meu coração, sem direção
Voando só por voar
Sem saber onde chegar
Sonhando em te encontrar

E as estrelas
Que hoje eu descobri no seu olhar
As estrelas vão me guiar

Se eu não te amasse tanto assim
Talvez perdesse os sonhos
Dentro de mim
E vivesse na escuridão

Se eu não te amasse tanto assim
Talvez não visse flores
Por onde eu vim
Dentro do meu coração

Hoje eu sei, eu te amei
No vento de um temporal
Mas fui mais, muito além
Do tempo do vendaval

Nos desejos, num beijo
Que eu jamais provei igual
E as estrelas dão um sinal

Se eu não te amasse tanto assim
Talvez perdesse os sonhos
Dentro de mim
E vivesse na escuridão

Se eu não te amasse tanto assim
Talvez não visse flores
Por onde eu vim
Dentro do meu coração

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 22 de março de 2017

CD Zizi Possi Passione

Este álbum pode ser considerado um volume dois dos chamados discos italianos da Zizi, já que um ano antes ela lançara com enorme êxito Per amore, já comentado anteriormente. Lançado em 1998 e chamado de Passione, este projeto explora mais uma vez a veia napolitana desta grande intérprete.

Aqui temos canções belíssimas, conhecidas nossas como Canzone per te (do repertório de Roberto Carlos), L´Aurora (do Eros Ramazzoti) e Grande grande grande (do repertório do Julio Iglesias). Além deles, temos também Gelsomina, Anema core, Cu´mme, Chella llá, Io mammeta e tu, Io que amo solo te, Torna a surriento, Passione, Malafemmena, Core´ngrato e Canto della Buranella.

Com Zizi nos ensinando o italiano, com seu canto doce e preciso, lamento não termos mais projetos assim, com outros clássicos que ganhariam mais personalidade com a interpretação ímpar dessa que é uma das nossas grandes divas.

Um forte abraço a todos!

domingo, 19 de março de 2017

♫Somos todos iguais nesta noite♫

Esta belíssima canção do Ivan Lins mostra, a meu ver, um pouco mais da sua genialidade em criar grandes obras, juntamente com seu grande parceiro, o Vitor Martins. Composta ainda na década de 70, época tida como bastante fértil entre nossos grandes gênios, sugere um ritmo duplo que ora nos remete a grande orquestra como se fosse um big band, ora nos remete aos mais perfeitos boleros, como a letra sugere em alguns trechos. 

Em alguns momentos, a letra me faz pensar em algo romântico, um casal que dança ao viver a felicidade. Em outros momentos, parece falar do povo em geral, naquela opressão dos anos 70 e que hoje parece ser retomada, embora com um pouco de maquiagem por partes de alguns opressores modernos. Como curto o romantismo, prefiro pensar como a primeira ideia de interpretação desse clássico da obra do Ivan.

Somos todos iguais nesta noite
Ivan Lins e Vítor Martins

Somos todos iguais nesta noite
Na frieza de um riso pintado
Na certeza de um sonho acabado
É o circo de novo

Nós vivemos debaixo do pano
Entre espadas e rodas de fogo
Entre luzes e a dança das cores
Onde estão os atores

Pede a banda
Pra tocar um dobrado
Olha nós outra vez no picadeiro
Pede a banda
Pra tocar um dobrado
Vamos dançar mais uma vez

Somos todos iguais nesta noite
Pelo ensaio diário de um drama
Pelo medo da chuva e da lama
É o circo de novo

Nós vivemos debaixo do pano
Pelo truque malfeito dos magos
Pelo chicote dos domadores
E o rufar dos tambores

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 15 de março de 2017

CD e DVD Caetano Veloso e Gilberto Gil - Dois amigos, um século de música

Este foi um dos melhores trabalhos realizados em 2015, o CD e DVD que reuniu um século de música, pois matematicamente temos 50 anos de cada lado destes dois gênios da nossa canção: Caetano Veloso e Gilberto Gil  fizeram um show baseado em grandes sucessos de ambos os repertórios, acompanhados apenas por seus também geniais violões.

Cantados geralmente em duetos ou alguns números solos, tendo o outro como admirador, o repertório passa por Back in Bahia, Coração vagabundo, Tropicália, Marginália II, É um luxo só, É de manhã, As camélias do Quilombo do Leblon (única inédita composta para este projeto), Sampa, Terra, Nine out of ten, Odeio, Tonada da luna llena, Eu vim da Bahia, Super homem (a canção), Come prima, Esotérico, Tres palabras, Drão, Não tenho medo da morte, Expresso 2222, Toda menina baiana, São João Xangô menino, Nossa gente (avisa lá), Andar com fé, Filhos de Gandhi, Desde que o samba é samba, Domingo no parque e A luz de Tieta.

Com a dupla cantando em português, espanhol, italiano, inglês e, sobretudo, revivendo seus grandes sucessos, alguns em momentos solos, outros em duetos inéditos, temos aqui um trabalho para guardarmos por mais uns cinquenta anos, sempre contemplando como se fosse a primeira vez e estivéssemos diante de dois ícones que tanto contribuíram para nossa canção com essas carreiras brilhantes.

Um forte abraço a todos!

domingo, 12 de março de 2017

♫O relógio♫

A música brasileira, muitas vezes, se alimenta de versões e é bem sucedida em muitos casos. Os boleros, de nossos irmãos hispânicos, são campeões neste sentido. E aqui temos um grande exemplo e, seu maior intérprete, a meu ver: o bolero clássico El reloj, com Adilson Ramos cantando para nós, este que já é nosso relógio.

Digo isto porque imagino que a maioria das pessoas que desejariam que o tempo passasse com menos pressa em determinados momentos devem cantar as primeiras frases deste clássico. Canção predominante no repertório de seus shows, lembra alguém que deseja que o tempo pare e que neste instante só o amor seja contemplado. Como o tempo é senhor de si, e em determinados instantes queremos que ele passe logo ou pare, ao menos se não podemos pará-lo ou diminuir seu compasso em bons momentos, podemos curtir grandes canções assim em vários destes bons momentos.

O relógio (El reloj)
Roberto Cantoral e Nely B. Pinto

Porque não paras relógio, 
não me faças padecer
Ela irá para sempre, 
breve o sol vai nascer

Não vês só tenho esta noite
para viver nosso amor
Teu badalar me recorda
que sentirei tanta dor

Detém as horas relógio
pois minha vida se apaga
Ela é a luz que ilumina meu ser,
sem seu amor não sou nada

Detém o tempo eu te peço
Faz esta noite perpétua
Pra que meu bem não se afaste de mim
Para que não amanheça.

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 8 de março de 2017

Os compositores do Brasil - 95

Com a Portela vencendo o último desfile do Rio de Janeiro, me veio à mente a figura de um grande Portelense e também renomado compositor do samba nacional, o senhor Hildemar Diniz, mais conhecido como Monarco. Natural do Rio de Janeiro, conviveu com os bambas da Portela, sendo facilmente associado à Escola campeã.

Já trabalhou ou teve grandes nomes interpretando seus sucessos como é o caso de Zeca Pagodinho, Maria Rita, Paulinho da Viola, João Nogueira, Martinho da Vila, Clara Nunes, Roberto Ribeiro, Beth Carvalho, Marisa Monte, Leci Brandão, entre tantos.

Nome associado à Velha Guarda da Portela, com quem se apresenta, Monarco é dono de grandes sucessos como Coração em desalinho, Falsa alegria, Lenço, Amor de malandro, Serei seu ioiô, Tudo menos amor, Vai vadiar, entre tantas, deste nobre ser do samba nacional.

Um forte abraço a todos!

domingo, 5 de março de 2017

♫Grilos♫

Atualmente curto bastante o repertório do Erasmo Carlos. Na verdade, acabo descobrindo muita coisa que não conhecia do tremendão, como é o caso desta canção que só conheci quando Erasmo lançou Meus lados b. Ainda da fase áurea da dupla e gravada por outros nomes como Marina Machado, em dueto com Samuel Rosa, tenho aqui uma agradável surpresa.

A letra de Grilos fala de uma discussão entre duas pessoas, onde alguém garante que para resolverem seus problemas basta deixar a poeira baixar, descansar um pouco, baixar a tensão e se convencer que, esquecidos tais grilos e amanhecendo com sua companhia, as coisas vão se resolver. Que coisa tão comum onde a tensão chega a níveis altos e que, de repente, pouco a pouco, a solução vai pintando, não é mesmo?

Grilos
Roberto Carlos e Erasmo Carlos

Se você passar daquela porta
Você vai ver como é que são as coisas
Como é que estão as coisas

Sei que o mundo pesa muitos quilos
Não me leve a mal se eu lhe pedir
Para cortar os grilos
Pra guardar os grilos
Pra cortar os grilos
Pra guardar os grilos

Aí, então, você vai se convencer
Que se o mundo pesa
Não vai ser de reza
Que você vai viver

Descanse um pouco
E amanheça aqui comigo
Sou seu amigo, você vai ver
Sou seu amigo, você vai ver

Um forte abraço a todos!

domingo, 26 de fevereiro de 2017

♫Vai passar♫

E neste domingo de carnaval chegamos com um samba moderno, dos mais geniais, do Sr. Chico Buarque, em parceria com o Sr. Francis Hime, lá de 1984, Vai passar. Tão atual quanto a situação caótica que o país passa e parece que o tempo mesmo é que não passou porque a letra se identifica exatamente com os tempos atuais, mesmo citando acontecimentos da época da ditadura.

Como um desfile de escola de samba, Vai passar cita passagens da história do país num enredo não muito luxuoso, mas autêntico. São citadas coisas grandiosas como grandes sambas, ancestrais, uma pátria adormecida, o exílio, a volta, o carnaval. Saudando o fim da ditadura e a esperança que pairava naquele tempo, sinto que hoje precisamos de uma renovação nessa esperança. Precisamos beber deste sentimento que saudou um novo tempo que parece que ainda não chegou. Hoje, se nosso país entrasse na avenida, com toda essa politicagem e o povo sendo enganando, a bateria não seria tão afinada, o enredo seria triste e nosso carnaval acabaria antes da quarta de cinzas.

Vai passar
Chico Buarque e Francis Hime

Vai passar
Nessa avenida um samba popular
Cada paralelepípedo da velha cidade
Essa noite vai se arrepiar
Ao lembrar
Que aqui passaram sambas imortais
Que aqui sangraram pelos nossos pés
Que aqui sambaram nossos ancestrais

Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações

Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações

Seus filhos
Erravam cegos pelo continente
Levavam pedras feito penitentes
Erguendo estranhas catedrais

E um dia, afinal
Tinham direito a uma alegria fugaz
Uma ofegante epidemia
Que se chamava carnaval
O carnaval, o carnaval

(Vai passar)
Palmas pra ala dos barões famintos
O bloco dos napoleões retintos
E os pigmeus do bulevar
Meu Deus, vem olhar
Vem ver de perto uma cidade a cantar
A evolução da liberdade
Até o dia clarear

Ai, que vida boa, olerê
Ai, que vida boa, olará
O estandarte do sanatório geral vai passar

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Vamos abrir a roda...

Uma das pioneiras da axé music chama-se Sarajane de Mendonça Tude, conhecida apenas como Sarajane. Natural de Salvador/BA, foi descoberta por Chacrinha que a viu cantar no interior da Bahia, despontando nacionalmente em 1986 com o sucesso A roda.

Emplacou outros sucessos como Ela sabe mexer, Venha me amar, Vale, entre outras. Foi responsável pelo lançamento de outras musas como Margareth Menezes e é creditada a ela o estouro que o axé obteve no final dos anos 80, tornando-se uma febre dos anos 90 em diante.

Continua fazendo shows, embora não muito presente nessa mídia meio injusta. Chegou a implicar com seu grande sucesso, A roda, de tanto pedirem pra cantar, mas  nunca deixa de cantar a canção que fez sem levar muito a sério e tornou-se sua referência e também deste ritmo baiano.

Um forte abraço a todos!

domingo, 19 de fevereiro de 2017

♫Volta por cima♫

Este samba já foi gravado por nomes como Jorge Aragão e Maria Bethânia. Mais recentemente ouvi na voz de Beth Carvalho, mas penso que a voz que o imortalizou foi a de Noite Ilustrada. Clássico do repertório do compositor Paulo Vanzolini, ultrapassa os limites de apenas uma canção de amor sofrido.

Sua letra, sobretudo no trecho "Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima" garante toda essa imortalidade, pois foi canção que originou ditado que crava na alma deste povo brasileiro que tem samba e garra pulsando onde esta canção e este trecho brota, no coração do país tupiniquim.

Volta por cima
Paulo Vanzolini

Chorei, não procurei esconder
Todos viram, fingiram
Pena de mim, não precisava

Ali onde eu chorei
Qualquer um chorava
Dar a volta por cima que eu dei
Quero ver quem dava

Um homem de moral não fica no chão
Nem quer que mulher
Lhe venha dar a mão

Reconhece a queda e não desanima
Levanta, sacode a poeira
E dá a volta por cima

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

CD O melhor de Alceu Valença

Alceu Valença é uma boa pedida, sobretudo nesta época carnavalesca. Um bom álbum a se curtir é esta coletânea, que reúne alguns de seus valiosos sucessos. Estão aqui alguns que não podem faltar em seus shows como é o caso de Anunciação, Tropicana, Coração bobo, Como dois animais, Pelas ruas que andei e Solidão.

Coletânea lançada em 1999, trouxe também algumas outras canções menos conhecidas de seu repertório como Na primeira manhã, Cavalo de pau, Cambalhotas, Rouge Carmin, Guerreiro, Dia branco e Cabelo no pente, além de Vem morena, do repertório de Gonzaga. Senti falta de outros sucessos dele como La belle de jour ou Girassol, mas isso é típico de coletâneas.

Também poderiam ter explorado algum dos tantos sucessos de Alceu tocados por esta época como Diabo louro, Me segura se não eu caio, Bicho maluco beleza, Roda e avisa, dentre tantas, mas pra quem curte um bom som deste grande pernambucano, tá aqui uma boa pedida.

Um forte abraço a todos!

domingo, 12 de fevereiro de 2017

♫Ai que saudades da Amélia♫

A mulher tem conquistado cada vez mais seu merecido espaço numa sociedade que ainda é muito machista. E alguns taxam de "Amélia" aquela mulher cada vez mais rara nos dias atuais, dona do lar, que cozinha e passa, lava e costura e nunca reclama do que lhe falta. Tudo isso por causa deste clássico de dois grandes gênios que este país conheceu em termos de composição: Mário Lago e Ataulfo Alves.

Mas, segundo li, Ataulfo não defendia a submissão de uma mulher, e sim contemplava seu companheirismo, sua aptidão de estar ali ao lado de seu marido, enfrentando todas as dificuldades com muita bravura. Sob esta ótica, podemos dizer que ainda existem muitas Amélias por aí, inesquecíveis, como este eterno samba da nossa canção.

Ai que saudades da Amélia
Mário Lago e Ataulfo Alves 

Nunca vi fazer tanta exigência
Nem fazer o que você me faz
Você não sabe o que é consciência
Nem vê que eu sou um pobre rapaz

Você só pensa em luxo e riqueza
Tudo o que você vê, você quer
Ai, meu Deus, que saudade da Amélia
Aquilo sim é que era mulher

Às vezes passava fome ao meu lado
E achava bonito não ter o que comer
Quando me via contrariado
Dizia: "Meu filho, o que se há de fazer!"

Amélia não tinha a menor vaidade
Amélia é que era mulher de verdade

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Da lama ao caos, do caos à lama...

Formação com Chico Science nos anos 90
Lá se vão 20 anos sem Chico Science e, penso que podemos afirmar que seu maior legado ficou na banda pernambucana de pop rock Nação Zumbi, de qual fez parte e a fundou e, juntamente com outra banda, a Mundo Livre S/A, foram responsáveis pelo movimento Manguebeat. O objetivo principal da banda era lutar pelas diferenças entre classes sociais com sua produção, não apenas no Recife, onde surgiu, mas em todo país.

Em 1994 lançou seu primeiro disco, Da lama ao caos, obtendo sucesso de crítica e reconhecimentos de vários colegas. A formação da banda contou com vários integrantes que, como em todas as bandas, entram e saem dela. Além do Chico, já contou com Jorge du Peixe, Lúcio Maia, Dengue, Gilmar bola 8, Toca Ogan, Canhoto, Pupilo, Gira, Gustavo da lua, Ramon Lira e Tom Rocha.

Como uma espécie de antena parabólica da lama, onde surgem caranguejos e que, segundo a banda, alguns destes pensam e emitem opiniões através deste trabalho, temos aqui uma banda que segue e enfatiza o legado do Chico e muito influenciou outros conterrâneos e até veteranos que se deixaram seduzir pelas ideias geniais dos "caranguejos que pensam".

Um forte abraço a todos!

domingo, 5 de fevereiro de 2017

♫Pelo telefone♫

Muitos defendem que é este o primeiro samba nacional, a raiz deste ritmo tão brasileiro, difundido pelo mundo. É bom saber que pela cultura, nosso país é visto com bons olhos e talvez aí resida nossa maior riqueza, em nossa forma de expressar nossa arte sempre verdadeira.

E a letra de Pelo telefone cumpre bem esse pioneirismo pois aborda uma historinha de forma bastante pura e envolvente, levando a muitos que a escutam a obedecer uma espécie de chamado a ser levado pelo ritmo tupiniquim, já interpretado por tantos nomes e que, a meu ver, tem em Martinho da Vila a leitura moderna definitiva.

Pelo telefone
Donga e Mauro Almeida

O chefe da polícia pelo telefone mandou me avisar
Que na Carioca tem uma roleta para se jogar
Ai, ai, ai, deixa as mágoas para trás ó rapaz
Ai, ai, ai, fica triste se é capaz, e verás.

Tomara que tu apanhes
Pra nunca mais fazer isso
Roubar o amor dos outros
E depois fazer feitiço.

Ai, a rolinha Sinhô, Sinhô
Se embaraçou Sinhô, Sinhô
Caiu no laço Sinhô, Sinhô
Do nosso amor Sinhô, Sinhô

Porque esse samba, Sinhô, Sinhô
É de arrepiar, Sinhô, Sinhô
Põe a perna bamba Sinhô, Sinhô
Me faz gozar, Sinhô, Sinhô

O "Peru" me disse
Se o "Morcego" visse
Eu fazer tolice,
Que eu então saísse
Dessa esquisitice
De disse que não disse.

Ai, ai, ai, deixa as mágoas para trás ó rapaz
Ai, ai, ai, fica triste se é capaz, e verás.

Queres ou não Sinhô, Sinhô,
Vir pro cordão Sinhô, Sinhô
Ser folião Sinhô, Sinhô
De coração Sinhô, Sinhô

Porque este samba Sinhô, Sinhô
É de arrepiar Sinhô, Sinhô
Põe a perna bamba Sinhô, Sinhô
Mas faz gozar Sinhô, Sinhô.

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

CD Zeca Pagodinho Multishow ao vivo - Vida que segue

Começamos o mês de fevereiro com um bamba do samba, talvez o maior da atualidade: Zeca Pagodinho que lançou em 2013 o CD/DVD Multishow ao vivo - Vida que segue, onde apresenta um show comemorando seus 30 anos de carreira, juntamente com alguns convidados e um repertório diferente do que apresenta habitualmente.

Abrindo o show com os clássicos Atire a primeira pedra/Volta por cima, Aquarela brasileira, Abre a janela, Opinião, Zeca traz logo alguns convidados como Yamandú Costa e Hamilton de Holanda em Gosto que me enrosco, que se juntam à Marisa Monte em Preciso me encontrar e, Rildo Hora, Rogério Caetano e Zé Menezes que participam das faixas Mascarada, O sol nascerá, Se eu errei/Eu agora sou feliz, Diz que fui por aí, Escurinha/Escurinho, Madame, Trem das onze.

Paulinho da Viola é também outro ilustre convidado, com quem Zeca divide o clássico Foi um rio que passou em minha vida. Temos ainda as canções Só o ôme, Barracão/Lata d´água, Batuque na cozinha (com a participação de Leandro Sapucahy), Pimenta no vatapá, Vem chegando a madrugada/Está chegando a hora, além do dueto com Xuxa em É vida que segue. Uma ótima pedida para quem deseja curtir o carnaval numa boa, com um bom som que representa este ritmo centenário e só nosso chamado samba.

Um forte abraço a todos!

domingo, 29 de janeiro de 2017

♫No Ceará é assim♫

Nunca fui à nenhuma cidade do Ceará, mas gosto bastante desta canção do repertório do Fagner, gravada em 1991 e regravada de forma definitiva, a meu ver, em seu mais recente trabalho, o CD Pássaros urbanos, já comentado anteriormente. 

Para quem ainda não foi ao Ceará, a canção nos leva a passear, a sentir toda essa bela paisagem que Fagner canta tão bem. Acho muito interessante esse saudosismo de alguns artistas por suas terras, o que mostra que nosso país é bom e abençoado com paisagens que sempre vão fascinar a todos!

No Ceará é assim
Carlos Barroso

Eu só queria
Que você fosse um dia
Ver as praias bonitas do meu Ceará

Tenho certeza
Que você gostaria
Dos mares bravios
Das praias de lá

Onde o coqueiro
Tem palma bem verde
Balançando ao vento
Pertinho do céu
E lá nasceu a virgem do poema
A linda Iracema dos lábios de mel

Oh! Quanta saudade
Que eu tenho de lá
Oh! Quanta saudade

A jangadinha vai no mar deslizando
O pescador o peixe vai pescando
O verde mar ...
Que não tem fim
No Ceará é assim

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

O trapalhão nas minas do rei Salomão

Abordando mais uma vez os trapalhões, já deveria ter falado deste título que é o mais visto do cinema nacional, do quarteto. Lançado em 1977, sob direção de J. B. Tanko, o filme traz Renato Aragão (Pilo), Dedé Santana (Duka) e Mussum (Fumaça). Ainda não tínhamos Zacarias nas telas do cinema para completar o quarteto.

Pilo e Duka ganham a vida simulando brigas numa praça pública enquanto Fumaça recolhe apostas, o que faz Glória (Monique Lafond) pensar que são corajosos e os contrata para salvar seu pai Aristóbulo (Carlos Kurt) que está preso nas minas do rei salomão, em troca do tesouro ainda desconhecido, mas que ela tem pistas.

Com a ajuda de outro expedicionário Alberto (Francisco di Franco) e contra a bruxa (Vera Setta), se desenvolve esta aventura que ainda conta com o auxílio do cachorro Lupa, que aparece duas vezes em filmes dos trapalhões (o outro é nos Saltimbancos).  Considero o melhor filme da década de 70 deles e como ainda desejo falar de outros títulos, em julho volto a comentar outros que ainda não citei.

Um forte abraço a todos!

domingo, 22 de janeiro de 2017

♫Nada será como antes♫

Elis Regina, Milton Nascimento, Roupa Nova. Três grandes vozes que tornaram essa canção um verdadeiro clássico da nossa música. Seu título também foi emprestado para uma recente minissérie. Curioso é que em algumas versões desses artistas, o trecho "alvoroço em meu coração" não é cantado, substituído por "sei que nada será como está", como na segunda parte da letra apresentada aqui.

Como o vento que passa ou como as ondas que vem e vão, nada será igual. Uma canção que fala de uma partida, uma despedida, algumas saudades, esperança de momentos melhores, a resistência em ficar, a necessidade de partir, genialidade de artistas que emprestam a alma para compor e interpretar sentimentos tão comuns e sensíveis à alma humana.

Nada será como antes
Milton Nascimento e Ronaldo Bastos

Eu já estou com o pé nessa estrada
Qualquer dia a gente se vê
Sei que nada será como antes, amanhã

Que notícias me dão dos amigos?
Que notícias me dão de você?
Alvoroço em meu coração
Amanhã ou depois de amanhã
Resistindo na boca da noite um gosto de sol

Num domingo qualquer, qualquer hora
Ventania em qualquer direção
Sei que nada será como antes amanhã

Que notícias me dão dos amigos?
Que notícias me dão de você?
Sei que nada será como está
Amanhã ou depois de amanhã
Resistindo na boca da noite um gosto de sol

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

DVD Escolinha do Professor Raimundo (nova versão)

Não podemos ficar apenas no passado, mas o passado também nos traz boas lembranças. Realmente momentos inesquecíveis permeados pela genialidade de Chico Anysio. E para reviver esses momentos de alegria, temos agora uma nova versão da Escolinha do Professor Raimundo, atualmente exibida aos domingos e também lançada nesse DVD duplo, em 2015, que contém cenas da primeira temporada.

Com Ângelo Antônio, Betty Gofman, Dani Calabresa, Ellen Roche, Evandro Mesquita, Fabiana Karla, Fernanda Freitas, Fernanda Souza, Kiko Mascarenhas, Lúcio Mário Filho, Marcelo Adnet, Marcium Mellem, Marco Ricca, Marcos Caruso, Maria Clara Gueiros, Mateus Solano, Otaviano Costa, Otávio Muller, Rodrigo Sant´anna, além de Bruno Mazzeo como o Professor Raimundo, temos a chance de reviver as alegrias da sala de aula mais famosa da televisão brasileira.

Quem nunca riu com alguma tirada de Sr. Boneco ou com os sustos de D. Bela? Com as história de Ademar Vigário ou com as enrolações de Sr. Rolando Lero? Com as saídas de Sr. Armando Volta ou com as invenções de Sr. Peru? Curiosamente, um fato que me faz rir bastante com essa versão é o fato deles serem grandes atores, embora novos, pois conseguem reproduzir exatamente o personagem, chegando até a fazer melhor que as versões antigas. Com Zé bonitinho arrasando com as mulheres ou com as tiradas de Joselino Barbacena, só mesmo Sr. Ptolomeu pra fazer valer o salário do professor que ainda tem que aguentar as histórias de Sr. Baltazar da Rocha ou enfrentar os desafios de Sr. Pedro pedreira. O sucesso é tanto que torcemos para que venham mais DVDs com as temporadas seguintes, exibidas atualmente em nossas tardes de domingo e também no Canal Viva.

Um forte abraço a todos!

domingo, 15 de janeiro de 2017

♫Corcovado♫

Cantar uma cidade, com suas belezas e nuances já não é tarefa muito fácil. Agora, cantar um ponto desta cidade e obter êxito com isto talvez seja tarefa mais difícil ainda. Isso se não estivéssemos falando do Rio de Janeiro, uma das cidades mais importantes do mundo, com seu Corcovado, morro que se tornou um  símbolo maior desta cidade, e de Tom Jobim, também um dos melhores do planeta.

Tom conseguiu, com sua sensibilidade ímpar, enfatizar a natureza e sua beleza na canção que dedicou ao morro e ao monumento carioca. E essa conexão entre o romantismo e a natureza que ele fazia tão bem é, sem sombra de dúvidas, um de seus melhores segredos. E é por essas e outras que temos aqui um clássico cantado por tanta gente e, cada uma à sua maneira, deixou seu carimbo no melhor cartão postal do país.

Corcovado
Tom Jobim

Um cantinho, um violão
Esse amor, uma canção
Pra fazer feliz a quem se ama

Muita calma pra pensar
E ter tempo pra sonhar
Da janela vê-se o Corcovado,
O Redentor que lindo!

Quero a vida sempre assim
Com você perto de mim
Até o apagar da velha chama

E eu que era triste
Descrente deste mundo
Ao encontrar você eu conheci
O que é felicidade meu amor

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

DVD O casamento dos trapalhões

Nos filmes dos trapalhões, apesar das inúmeras risadas, havia um pequeno momento de tristeza. É que na maioria dos títulos, Didi se apaixonava por alguém e no final terminava sem esse alguém, às vezes com outro par, às vezes não. Não sei se pensaram nessa lacuna, mas houve um desses títulos em que isso foi resolvido: em 1988 o quarteto lançou o filme O casamento dos trapalhões em que, não apenas Didi, mas vários personagens se divertem e se casam.

Com as participações de Gugu Liberato, Grupo Dominó, Luciana Vendramini, José de Abreu, Zezé Macedo, entre outros, o enredo se passa em uma fazenda no interior de São Paulo onde vivem os irmãos trapalhões. A irmã deles é mãe do quarteto Dominó, que se apresentará na cidade e que deseja passar as férias na fazenda dos tios, segundo carta dela.

Ao irem todos para a cidade presenciar a apresentação e depois pegar o grupo, conhecem namoradas, com as quais depois se casam. O enredo também se desenvolve com algumas confusões com playboy´s dessa cidade que entram para a briga. No final, todos se casam e Didi, que é o mais velho, além de terminar com seu amor, ainda ganha uma filha. Com músicas de Michael Sullivan e Paulo Massadas, Milionário e Zé Rico, Roberta Miranda e do grupo Dominó, temos aqui mais um título do quarteto campeão de bilheteria!

Um forte abraço a todos!

domingo, 8 de janeiro de 2017

♫Tudo diferente♫

Do repertório da Maria Gadú, vem esta que é a minha preferida. Uma valsinha como aquelas que aconteciam há um tempo atrás, com uma belíssima melodia que dá vontade de sair por aí assobiando. A começar pelo título, todos querem começar algo bem diferente e é o que a canção oferece: um amor vivenciado de forma diferente ao que sempre estamos habituados a ouvir e ver.

Cheia de antíteses, a letra destaca personagens opostos que, de repente, se completam e vivenciam este amor, mesmo parecendo que apenas um busca mais o sentimento e a presença do outro. E por que não pensar que o amor é assim mesmo, não tem nada de exatamente igual, um mais, outro menos e os dois juntos completam o sentimento que refaz este amor.

Tudo diferente
André Carvalho

Todos caminhos trilham pra a gente se ver
Todas trilhas caminham pra gente se achar, viu?
Eu ligo no sentido de meia verdade
Metade inteira chora de felicidade

A qualquer distância o outro te alcança
Erudito som de batidão
Dia e noite céu de pé no chão
O detalhe que o coração atenta

Você passa, eu paro
Você faz, eu falo
Mas a gente no quarto sente o gosto bom que o oposto tem
Não sei, mas sinto, uma força que embala tudo
Falo por ouvir o mundo, tudo diferente de um jeito bate

Todos caminhos trilham pra a gente se ver
Todas trilhas caminham pra gente se achar, viu?
Eu ligo no sentido de meia verdade
Metade inteira chora de felicidade

A qualquer distância o outro te alcança
Erudito som de batidão
Dia e noite céu de pé no chão
O detalhe que o coração atenta

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

DVD Irmã Dulce

Janeiro é o mês das férias de muita gente e isso também é associado a filmes, pipoca, diversão. E como em todos os anos, vamos indicar alguns títulos interessantes, neste mês. Um filme nacional que me fez chorar, mas de uma forma muito positiva e emocionante foi esse que conta a história do Anjo bom da Bahia, a freirinha conhecida simplesmente como Irmã Dulce.

Lançado em 2014 e com atrizes como Bianca Comparato, Regina Braga, Zezé Mota, Zezé Polessa, Gracindo Jr., Irene Ravache e Glória Pires, é a história biográfica da religiosa, desde sua infância, sempre ligada às causas sociais, o que produz uma vida dedicada ao próximo, mesmo que para isso tivesse que romper com algumas cláusulas das instituições que, por tantas vezes parecem tão rígidas e até distantes dos deveres sociais que ela tanto abraçou.

Sabe aquela pessoa que, de repente, vemos como um verdadeiro exemplo vivo no meio de nós, que faz coisas tão simples que sabemos que todos deveríamos fazer, mas por um motivo ou outro não alcançamos tamanha façanha, é o que essa Irmã Dulce fez enquanto existiu na Bahia, sobretudo para as crianças e para os pobres daquele lugar. O filme emociona por retratar algumas passagens dessa brilhante atuação que foi sua existência aqui entre nós!

Um forte abraço a todos! 

domingo, 1 de janeiro de 2017

♫Feliz 2017♫

Em 2017 estaremos por aqui com eles e com o que de melhor cada um tem a oferecer para este ano que se inicia! Todos os gêneros e ritmos juntos em mais um ciclo que começa e que ele seja bastante produtivo para nossos ouvidos, para nossa música! A todos, um brinde pela música brasileira, a melhor de todo planeta!

Um forte abraço a todos!