quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Olhando as estrelas - 65

E a série olhando as estrelas aparece mais uma vez trazendo duas das maiores estrelas musicais que possuímos: Caetano Veloso e Gal Costa. Baianos, da Tropicália, começaram a carreira praticamente juntos e penso que poderia atribuir a Gal como sendo a intérprete número um da obra dele, até mais que sua irmã, Maria Bethânia.

Músicas gravadas dele não dá nem pra citar todas, pois uma postagem seria pouco, mas vale lembrar alguns dos grandes sucessos dela como Força estranha, Tá combinado, Coração vagabundo, London london, Você não entende nada, Baby, Dom de iludir, Luz do sol, Vaca profana, Nua ideia, além de todas as canções do álbum Recanto. Em dueto, já cantaram os sucessos Sorte, A luz de Tieta, Tá combinado, entre outros.

Sem sombra de dúvidas, Caetano e Gal possuem carreira de estrelas e isso é incontestável. O encontro entre eles gera sempre alguma ótima surpresa e os amantes da música brasileira desejam que isso aconteça ainda mais, talvez em um novo show ou novas gravações de canções inéditas como sempre tem ocorrido na discografia de nossa diva, com a colaboração de nosso gênio!

Um forte abraço a todos!

domingo, 19 de novembro de 2017

♫Sonífera ilha♫

Um dos primeiros e maiores sucessos da banda Titãs, regravada por outros nomes como Adriana Calcanhoto, Sonífera ilha tornou-se muito mais que clássico da banda, sendo um dos topos do rock nacional. Composta por cinco nomes, atuais e ex-integrantes, foi uma das mais tocadas no ano de seu lançamento, 1984 e até hoje é executada nos shows da banda.

Com uma letra curta, de apenas dois versos que se repetem, mas sem cansar o ouvinte, considero que o melhor desta canção está na sua levada, na sua melodia e no seu rock, sem desmerecer a letra romântica que expressa o desejo de qualquer um em estar num paraíso chamado ilha, com quem se ama e deseja se sintonizar pra sempre!

Sonífera ilha
Marcelo Fromer, Branco Mello, Toni Bellotto, 
Ciro Pessoa e Carlos Barmak

Não posso mais viver assim ao seu ladinho
Por isso colo o meu ouvido no radinho de pilha
Pra te sintonizar sozinha, numa ilha...

Sonífera Ilha!
Descansa meus olhos
Sossega minha boca
Me enche de luz

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

CD José Augusto - Nosso amor é assim

Em 1996 José Augusto lançou um dos melhores discos de sua carreira e o melhor, a meu ver, de toda a década de 90. Intitulado de Nosso amor é assim, a faixa que dá nome ao disco não foi melhor que os grandes sucessos que ficaram deste trabalho como Juro que não vou mais chorar e A minha história, versão da canção italiana La mia storia tra le dita, que Ana Carolina também fez uma diferente versão anos depois em Quem de nós dois, mas que a versão dele está mais próxima do original.

Além destas, temos grandes canções, potenciais sucessos radiofônicos, mas que se perderam no tempo como Mágoa, Fim de semana, Só você (diferente da canção com o mesmo nome lançada em 1989) e Gostoso vai e vem (com participação de Amelinha). Ainda temos as regravações de Espanhola e Eu só quero um xodó, além da canção Prelúdio para um rei, em homenagem a Roberto Carlos.

Completam o trabalho as canções Mãe, Moreninha, Longe da cidade e a faixa título Nosso amor é assim. Um grande trabalho do Zé, que ainda pode ser encontrado nos sebos, já que seus discos estão quase todos fora de catálogo, o que é uma pena, pois muitos fãs deste país admiram seu trabalho e gostariam de adquirir seus discos, sobretudo dos anos 80 e 90.

Um forte abraço a todos!

domingo, 12 de novembro de 2017

♫Meu mundo e nada mais♫

Guilherme Arantes é dono de grandes sucessos que compuseram a trilha sonora de tantos brasileiros, durante os últimos anos, seja nos hits que iam direto para o topo das paradas das rádios, ou alguns que passavam antes pelas trilhas de grandes novelas. Meu mundo e nada mais foi o primeiro grande sucesso dele e pelo que me consta das pesquisas que fiz, foi composta em 1969, mas lançada apenas em 1976, tema da novela Anjo mau.

Já teve várias releituras do Guilherme em shows e também de Daniel e Adriana Calcanhoto, entre outros. Sua letra fala de um dos momentos mais tristes que o ser humano passa: a dor da partida, do término de um relacionamento, onde uma das partes ainda desejaria a continuidade deste. Muitas vezes, as pessoas projetam seu mundo em outras pessoas ou fazem de seu mundo algo muito particular, onde alguns personagens não devem nunca se ausentar dele, como se isso fosse eternamente possível. Talvez nos sonhos, nos pensamentos, mas na vida real, isso pode se romper e a dor é inevitável e seu tamanho imensurável, como diz esse clássico da música brasileira.

Meu mundo e nada mais
Guilherme Arantes

Quando eu fui ferido vi tudo mudar
Das verdades que eu sabia
Só sobraram restos que eu não esqueci
Toda aquela paz que eu tinha

Eu que tinha tudo hoje estou mudo, estou mudado
À meia-noite, à meia luz, pensando
Daria tudo por um modo de esquecer

Eu queria tanto estar no escuro do meu quarto
À meia-noite, à meia luz, sonhando
Daria tudo por meu mundo e nada mais

Não estou bem certo se ainda vou sorrir
Sem um trago de amargura
Como ser mais livre, como ser capaz
De enxergar um novo dia

Um forte abraço a todos!

domingo, 5 de novembro de 2017

♫Maresia♫

Essa é uma clássica canção do repertório da Adriana Calcanhotto, que me fez crer que se tratava de sua autoria até pesquisar e perceber que se trata de um poema de Antônio Cícero, musicado por Paulo Machado e imortalizado pela Adriana já nos anos 2000, embora já tivesse sido gravada anteriormente por Marina Lima, irmã do poeta-autor da canção. Zeca Baleiro obteve bastante êxito com uma regravação recente, numa levada mais "havaí", vamos dizer assim.

A letra de Maresia fala de alguém que sofreu abandono e que vê no cotidiano do marinheiro um desejo de fuga. Deseja a vida nômade do marinheiro como solução do abandono e solidão na qual se sente inserido. Uma vida sem muita dedicação para evitar novas decepções, formas diferentes de encarar a vida e suas contrariedades.

Maresia
Paulo Machado e Antônio Cícero

O meu amor me deixou
levou minha identidade
não sei mais bem onde estou
nem onde há realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
não se teria partido

ou se partisse colava
com cola de maresia
eu amava e desamava
sem peso e com poesia

Ah, se eu fosse marinheiro
seria doce meu lar
não só o Rio de Janeiro
a imensidão e o mar

leste oeste norte sul
onde um homem se situa
quando o sol sobre o azul
ou quando no mar a lua

não buscaria conforto
nem juntaria dinheiro
um amor em cada porto
Ah, se eu fosse marinheiro...

Um ótimo domingo a todos!

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Vou pr´onde você está...

Um artista da nova geração que tá fazendo cada vez mais sucesso e obtendo reconhecimento dos colegas é Tiago Iorc. Natural de Brasília, cresceu em Passo fundo (RS) e, posteriormente em Curitiba (PR), e lançou seu primeiro trabalho em 2008, só com canções em inglês, linha que seguiu no segundo trabalho. Apenas a partir do terceiro álbum, que lança canções em português.

Com grandes parcerias, que passam por Maria Gadu, Sandy e, mais recentemente com Milton Nascimento, já coleciona sucessos como Música inédita, Forasteiro, Coisa linda, Me espera e Amei te ver. O dueto com Milton é mais recente, na belíssima canção Mais bonito não há, parceria de ambos.

Com a música brasileira deixando a desejar em algumas novas criações, com novos artistas sem muita coisa boa para ofertar, é interessante perceber que temos um novo artista assim que apresenta boas canções, algumas já radiofônicas e que se preocupa em apresentar arte, lapidando sempre a nossa boa música brasileira.

Um forte abraço a todos!