sábado, 7 de novembro de 2009

Retrovisor

Uma das minhas canções preferidas do repertório do Fagner, Retrovisor, lançada em 1990 e regravada em 1998 em dueto com Zezé di Camargo e Luciano, retrata amor e saudade através da velocidade. Um tema apaixonante para quem dirige e junta a isso a saudade daquele velho amor!

Com algumas metáforas, Retrovisor é uma das letras mais lindas desse cearense que possui uma legião muito grande de fãs e que o classifico como dos meus favoritos. Mais uma parceria bem sucedida com outro grande compositor, Fausto Nilo, essa canção apresenta trechos fantásticos como "De repente a velocidade chora..., no espelho a minha solidão... sou levado pelo movimento que tua falta faz..." Demais, demais! Grande Fagner, Grande Fausto Nilo:

Retrovisor
(Raimundo Fagner e Fausto Nilo)

Onde a máquina me leva não há nada
Horizontes e fronteiras são iguais
Se agora tudo que eu mais quero já ficou prá trás

Qualquer um que leva a vida nessa estrada
Só precisa de uma sombra prá chegar
A saudade vai batendo e o coração dispara

Mas de repente a velocidade chora
Não vejo a hora de voltar prá casa
A luz do teu olhar no fim do túnel
E no espelho a minha solidão

O céu da ilusão que não se acaba
A música do vento que não pára
Será que a luz do meu destino vai te encontrar?

Vejo a manhã de sol entrando em casa
Iluminando os gritos das crianças
Os momentos mais bonitos na lembrança não vão se apagar

Ai quem me dera encontrar contigo agora
E esquecer as curvas dessa estrada
Eu prefiro sonhar com os rios e lavar minh'alma

Alguém sentando à beira do caminho
Jamais entenderá o que é que eu sinto agora
Sou levado pelo movimento que tua falta faz

Havia tanta paz no teu carinho
Na despedida fez um dia lindo
Quem sabe tudo estará sorrindo quando eu voltar...

Um forte abraço a todos!

5 comentários:

James Lima disse...

"Alguém sentando à beira do caminho
Jamais entenderá o que é que eu sinto agora
Sou levado pelo movimento que tua falta faz"

Não seria uma referência à canção de Roberto e Erasmo, Sentado À Beira Do Caminho?

James Lima
www.robertocarlosbraga.com.br

Everaldo Farias disse...

Zé Jeimis,

eu também pensei assim antes, mas creio que não, pois o personagem da canção Sentado à beira do caminho tem sentimentos semelhantes ao que observa pelo Retrovisor o seu passado, assim penso!

Um forte abraço!

Anônimo disse...

Letra lindíssima! Coisas de Fagner!

Às vezes nos preocupamos tanto com a superficialidade de um mundo mecanizado, que esquecemos da maior riqueza que um ser humano pode possuir na vida: o amor verdadeiro.

Beijos!

Unknown disse...

Quando se está na estrada vc passa por muitas pessoas que se quer sabe de sua existência, vc vê mas não é visto...
Esse alguém já mais saberá ou entenderá tudo o que se passa na vida de alguém que pra quem não o conhece é então insignificante...

Unknown disse...

Alguém sentado a beira do caminho refere se a alguém que não nos acompanha não sabe de onde viemos pra onde vamos o que passamos, por isso diz "jamais entendera o que eu sinto agora"