quarta-feira, 24 de agosto de 2016

CD e DVD Fagner & Zé Ramalho

Pensei que já havia citado este grande encontro. E o citei, mas foi na série Olhando as estrelas. Como projeto de CD e DVD ainda não comentei sobre esta grande pérola, indispensável na coleção de quem ama música brasileira: o encontro entre estes dois grandes nomes que resolveram unir suas carreiras neste projeto ao vivo, gravado no Rio de Janeiro.

Guiado apenas por seus violões, num projeto inicialmente acústico e depois acompanhado pela banda, o repertório passeia por clássicos de ambos: Dois querer, Asa partida, Pelo vinho e pelo pão, Mucuripe, Noturno, Chão de giz, Romance no deserto, A terceira lâmina, Jura secreta/Revelação, Fanatismo, Garoto de aluguel, Eternas ondas, Kamikaze, Pedras que cantam e Admirável gado novo com novos arranjos e duetos inéditos.

A belíssima Canção da floresta é a grata novidade do projeto que reúne estes dois astros que já haviam gravado um ao outro, um no disco do outro e vice-versa e finalmente resolveram nos presentear com este belíssimo projeto ao vivo. Acho que cabia uma homenagem a Gonzaga, figura ilustre que é raiz de ambos, a meu ver, mas não posso deixar de enfatizar que temos aqui um dos melhores projetos da carreira de ambos.

Um forte abraço a todos! 

domingo, 21 de agosto de 2016

♫Corsário♫

Esta é mais uma daquelas belas canções que a gente tem que parar pra ouvir, refletir e buscar entender o que ela tem para nos dizer e deixar em nós contínuas reflexões. Gravada por Elis, Ney e principalmente por seu criador, João Bosco, não vou entrar no mérito de interpretar aquilo que imagino que a letra vem nos dizer, verso a verso, mas apenas o que ela deixou em mim.

Há quem diga que a letra fala dos tempos difíceis, na época da ditadura e que nas entrelinhas há muito mais a se dizer, sobretudo pelo título, corsário, que remete a comandantes autorizados a atacar outros navios. Mas, observo um lado avassalador e também romântico ao citar as garrafas que vão por entre os mares, como antigamente, que levam as mensagens de um coração preso, coberto por neve, mas que ferve na vontade de atingir o caminho desejado que leva a algo ou, a meu ver, a alguém.

Corsário
João Bosco e Aldir Blanc

Meu coração tropical está coberto de neve, mas
Ferve em seu cofre gelado
E à voz vibra e a mão escreve mar
Bendita lâmina grave que fere a parede e traz
As febres loucas e breves
Que mancham o silêncio e o cais

Roserais, Nova Granada de Espanha
Por você, eu, teu corsário preso
Vou partir a geleira azul da solidão
E buscar a mão do mar
Me arrastar até o mar, procurar o mar

Mesmo que eu mande em garrafas
Mensagens por todo o mar
Meu coração tropical partirá esse gelo e irá
Com as garrafas de náufragos
E as rosas partindo o ar
Nova Granada de Espanha
E as rosas partindo o ar

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Domingo de sol...

Um grande sambista relembrado hoje pelo Blog Música do Brasil, este é Carlos Roberto de Oliveira, que todos conhecem apenas como Dicró. Natural de Mesquita/RJ, seus sambas bem humorados ganharam fama assim como os dos colegas Bezerra da Silva e Moreira da Silva.

Sua primeira canção foi gravada em 1976: Samba do sofá e a partir daí, outros sucessos vieram como Barra pesada, Botei minha nêga no seguro, Praia de Ramos, O falso barão, O genro, Funeral do Ricardão, Tá lotado, A cara do pai, Festa de caçador, Os sabores da mulher, Pega ladrão, Olha a rima, O sogro, Chatuba, O barrigudo, etc.

Dicró partiu para a eternidade em 2012, mas seus sambas, bem como os de seus contemporâneos estão aí para explicar um pouco do bom humor e das nuances que o povo brasileiro apresenta neste ritmo que retrata uma nação como nenhum outro e no qual Dicró foi e sempre será referência!

Um forte abraço a todos!

domingo, 14 de agosto de 2016

Filhos musicais

E hoje dia dos pais e o Blog presta uma homenagem aos pais da música brasileira, cujos filhos também enveredaram pelo mesmo caminho e se tornaram cantores, músicos ou compositores. E muitos são os bons exemplos dentro da nossa canção e é provável que me esqueça de vários.

Mas, como não citar Gonzagão e Gonzaguinha, já comentados em homenagens anteriores? Ou os filhos de Elis: João, Pedro e Maria Rita, sendo o primeiro, filho de Ronaldo e os dois últimos, filhos do pianista César Camargo Mariano. Os dois filhos de Roberto também tentam algo com a música: Rafael já gravou disco, sem muito êxito e Dudu é baterista da banda RC na veia. Preta também enveredou pelo caminho do pai Gil, com sucesso. Os filhos de Xororó, Sandy e Júnior formaram uma das duplas mais conceituadas. Wanessa Camargo também não decepcionou Zezé, assim como os filhos de Leandro e Leonardo, Tiago e Pedro, respectivamente.

No samba, temos Mart´nália como descendente musical de Martinho da Vila, e Diogo, filho de João Nogueira. Mas não podemos esquecer de Paulo Jobim, músico filho de Tom e Daniel, o neto do maestro soberano. Fiuk também dá os primeiros passos, assim como seu pai Fábio. E os filhos de Caymmi; Dori, Nana e Danilo? Enfim, com uma lista como esta, mesmo esquecendo algum ou alguns nomes, fica a reflexão se ser artista não é mesmo um dom que corre nas veias genéticas?

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

CD José Augusto duetos

Saindo do forno esta ótima pedida para o dia dos pais, sobretudo os pais mais românticos. Meu pai, que está no céu, apreciava bastante este artista. Em 2016, José Augusto lançou este trabalho primoroso que conta com a participação de grandes nomes da nossa música e também alguns novos nomes para reviver alguns de seus grandes sucessos.

Com isso temos Sorriso maroto na faixa Fica combinado assim, Zezé di Camargo e Luciano na faixa Sábado e Aviões do forró na faixa Só você. Do CD anterior, Quantas luas, temos Victor e Léo na faixa Eu vou lembrar você e Luan Santana na faixa Chuvas de verão. De outro disco ao vivo, vem os encontros com Alcione na faixa O que eu faço amanhã?, Chitãozinho e Xororó na faixa Evidências e Roupa nova na faixa Eu e você. Completam os duetos, a rainha dos baixinhos Xuxa, na faixa Querer é poder.

Como bônus, temos as inéditas Me diz quem e Una sola vez, ambas sem participação de nenhum outro artista em dueto. Senti falta de um encarte com mais fotos e letras das canções, além da ficha técnica com os músicos participantes, mas temos aqui um belo trabalho, com novos arranjos em alguns clássicos e aquela suave voz que traz o doce romantismo desse artista com mais de 40 anos de carreira nos encantando cada vez mais!

Um forte abraço a todos!

domingo, 7 de agosto de 2016

♫Canção da despedida♫

Uma das interpretações mais lindas de Elba Ramalho, a meu ver, é nesta canção da dupla de Geraldos, Azevedo e Vandré. Canção da despedida foi composta em 1968, censurada e passou muitos anos oculta, até ser gravada por Azevedo em 1985. E no projeto O grande encontro (que está pra ser retomado, sem a participação de Zé Ramalho), Elba deu aquilo que chamo de interpretação definitiva para esta pérola.

A letra de Canção da despedida traz uma tona romântica, cobrindo o que chamaram de crítica à ditadura vigente na época em que foi composta. O rei mau, citado na letra, seria o presidente militar que não agradava aos que optaram ou foram obrigados a abraçarem o exílio. E como acreditava que o reinado teria prazo de validade, a volta também era saudada na letra.

Canção da despedida
(Geraldo Azevedo e Geraldo Vandré)

Já vou embora, mas sei que vou voltar
Amor não chora, se eu volto é pra ficar
Amor não chora, que a hora é de deixar
O amor de agora, pra sempre ele ficar

Eu quis ficar aqui, mas não podia
O meu caminho a ti, não conduzia
Um rei mal coroado, não queria
O amor em seu reinado

Pois sabia, não ia ser amado
Amor não chora, eu volto um dia
O rei velho e cansado já morria

Perdido em seu reinado, sem Maria
Quando eu me despedia
No meu canto lhe dizia...

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

♪Partituras musicais dos fãs - 30 - Isolda Bourdot♪

Um momento nobre deste Blog e uma das postagens mais importantes que já fiz nesses quase nove anos em que escrevo sobre música. Hoje esta série poderia se chamar "Partituras musicais do ídolo", pois tenho certeza que todos os que são fãs do rei Roberto Carlos, todos os que apreciam a boa música, conhecem e amam as composições da Isolda, algumas em parceria com seu irmão, o saudoso Milton Carlos. E hoje, generosamente, Isolda aceitou participar desta série e contar pra nós um pouco sobre sua marcante carreira, pois "Só assim sentimos ela bem perto de nós, outra vez". E vamos à entrevista:

1 - Quando e como você descobriu que era compositora?

♪Quando criança, por volta dos meus 9 e 10 anos eu brincava de teatro com meu único irmão - Milton Carlos. Era teatro musical e eu era responsável pela "trilha". Foram muitas histórias infantis onde minhas bonecas eram as atrizes.

2 - Qual a sua reação quando ouviu pela primeira vez um sucesso seu tocar nas rádios e qual foi este sucesso?

♪Foi a música Samba Quadrado - gravação do meu irmão - Foi meio irreal, mas apaixonante.

3 - Quando percebeu que este era seu ofício, o de compor, quem sonharia que gravasse uma canção sua naquele momento?

♪Nunca imaginei que esse era meu ofício. Eu estudava para fazer jornalismo, na época em que fazendo vários festivais da canção, alguns cantores começaram a nos pedir música. Tranquei a faculdade e não voltei mais, até hoje. Tanto eu como meu parceiro, meu irmão, sonhávamos um dia gravar com o rei, mas achávamos esse sonho impossível. Éramos jovens demais.

4 - Seu irmão, o saudoso Milton Carlos, foi sua primeira e maior ligação com a música?

♪Sim, meu parceiro maior, meu melhor amigo.

5 – E quando ouviram a canção Amigos, amigos gravada pelo Roberto, qual a sensação?

♪Quando soubemos da gravação, eu estava casada, passando férias em Curitiba. Milton me contou por telefone e eu tremendo de emoção, nem acreditei e voltei correndo pra São Paulo. Foi uma imensa alegria.

6 – Sinto e já te disse isso: Outra vez é a canção mais parecida com o Roberto, que não é da autoria dele. Você a fez pensando nele, digo em sua interpretação? 

♪Eu fiz essa canção num momento bem "divisor de águas da minha vida". Fazia alguns meses que eu tinha perdido meu irmão num acidente, acabava de me separar do maior amor da minha vida e reiniciava minha vida em São Paulo (morava em Curitiba, com meu marido). Não, não pensei nem que essa canção seria gravada. Fiz como um desabafo pessoal. Quando enviei ao Roberto no meio de outras canções (ainda em parceria com meu irmão) e depois soube que ela tinha sido escolhida, imaginei que Roberto teria gravado justamente essa, só em meu nome, por esse conhecido comportamento dele, em ajudar os amigos. Na minha opinião essa canção não tinha nada para ser sucesso. Era muito pessoal. 

7 – Houve ou houveram canções que, quando você estava compondo pensava: essa é para a voz de tal cantor (a)?

♪Sim, a música "O pior é que eu gosto" por exemplo, imaginei Alcione cantando. E foi o que aconteceu.

8 - Gosto muito de Tente esquecer e Um jeito estúpido de te amar. Acho que a primeira, por exemplo, merecia uma releitura, um resgate com uma boa intérprete, tipo com Nana Caymmi. Você tem essa sensação com alguma de suas canções?

♪Tenho sim e é interessante você colocar justamente essas duas canções super importantes emocionalmente pra mim. Gosto muito da interpretação de Bethânia para a canção "Um jeito estúpido de te amar". Aliás essa canção entrou recentemente como trilha de um filme brasileiro que foi premiado. (na interpretação dela)

9 - Roberto Carlos, Emílio Santiago, Gal Costa, Maria Bethânia, Simone e tantos outros grandes intérpretes em seu currículo. Isolda, aqui no Brasil, quem você ainda queria ouvir gravando algo de sua autoria?

♪Gostaria de ouvir Roberto cantando uma nova canção minha. Não adianta... Ele continua sendo meu rei.

10 - Quando ouvi pela primeira vez Alcione cantando O pior é que eu gosto e constatei ser de sua autoria (já no disco ao vivo dela, em 2003), senti saudades de grandes canções com uma verdade de sentimentos tão bem cantados. Como vê a cena atual para os compositores que aí estão?

♪Com raríssimas exceções, estou bastante triste ao ver tanta mediocridade musical, uma vez que a música brasileira sempre foi conhecida por seu bom gosto. Hoje em dia não existe mais "o compositor" simplesmente. É preciso que ele seja também o intérprete das suas canções, se quiser sobreviver. O pior é que se supõe que o público brasileiro não tem cultura suficiente para um bom trabalho. Daí as piores opções. Mas tenho esperanças de que tudo isso seja apenas uma fase, de que o talento volte a ter o seu lugar na música.

11 - Cita uma ou algumas canções que gostaria de ter feito, de outros compositores nacionais?

♪Ah, gostaria de ter feito várias: "Eu sei que vou te amar" (Tom Jobim e Vinícius de Moraes), "O silencio das estrelas"(Lenine e Dudu Falcão), "Olha" (Roberto Carlos e Erasmo Carlos)...

12 - Um compositor brasileiro?

♪Antônio Carlos Jobim

13 - Um músico brasileiro?

♪Ah, são vários....

14 - O arranjo que mais aprecia em alguma canção nacional?

♪Cada canção tem um arranjo peculiar. Não sei qual eu mais gosto.

15 - O que você gosta de ouvir quando está em casa?

♪Gosto de ouvir músicas de Cole Porter, Gershwin, repertório de Sinatra ou mesmo antes dele. Gosto do que se fazia em música, cinema, moda nos anos 40, 50...

16 - Sei que é difícil, mas você me diria quem é, a seu ver, o grande intérprete deste país? E a grande intérprete?

♪São vários. Mas meus preferidos: Roberto Carlos, sem dúvida e Simone.

17 - Outra vez foi a sua canção mais regravada. Você disse que queria ouvi-la em francês?

♪Sim, ela foi regravada em inglês, espanhol, italiano, mas nunca em francês. Venho de família francesa/italiana. Já fui casada com um francês, gosto do país e no entanto, justamente na França essa canção não foi gravada. Quem sabe, um dia?

18 - Um trecho de uma canção?

♪"Tente esquecer de você, que um dia me amou..."

19 - Já pensou em escrever um livro contando sobre seu processo de criação, sobretudo desses grandes sucessos?

♪Escrevi e lancei um livro que se não me engano, está esgotado: "Você também faz músicas?" Estou agora escrevendo minha biografia, mas com todo o cuidado para não esbarrar em escândalos (como costumam fazer), sem oportunismos. Um livro para deixar para meus netos. Com todo carinho e sinceridade.

20 - Deixa uma mensagem para aqueles amigos que vão adorar ler mais sobre você, em tudo isso que você nos contou?

♪Ame, ame muito, ame sempre. A vida só tem sentido, quando a gente sente.

Isolda, um obrigado é algo pequeno diante de tamanha generosidade em nos proporcionar este prazer de lhe conhecer melhor e também saber o que você pensa sobre música. Você que sempre a tornou algo melhor, mais rico, mais agradável e mais sensível aos nossos ouvidos, com certeza entenderá que neste momento, nosso obrigado é apenas um facho de luz, diante dessa estrada iluminada que você percorre e que através de seu ofício enaltece "as voltas em que a vida envolveu cada um".

Um forte abraço a todos!

domingo, 31 de julho de 2016

CD Roberto Carlos (La guerra de los niños)

Encerramos esta série com o CD lançado em 1981, referente ao trabalho lançado aqui no Brasil em 1980. Com o mesmo encarte e praticamente as mesmas canções versionadas para o espanhol, com exceção da canção Eu me vi tão só, que nunca foi versionada para o espanhol, este disco representa o que aconteceu na obra do rei, que desde 1971 até 1993 mantinha esta prática de lançar dois trabalhos anuais, um em português e outro em espanhol.

Aqui estão as canções La guerra de los niños (versão de A guerra dos meninos), El sabor de todo (versão de O gosto de tudo), La isla (versão de A ilha), Pasatiempo (versão de Passatempo), No te apartes de mi (versão de Não se afaste de mim), Se busca (versão de Procura-se), Amante a la antigua (versão de Amante à moda antiga), Y tengo que seguir (versão de Tentativa) e Confesión (versão de Confissão).

A parte inédita fica por conta do bolero de Armando Manzanero, Me vuelves loco, presente apenas neste álbum e que aqui no Brasil existe a versão em português cantada por Elis Regina e posteriormente por sua filha, Maria Rita. Os demais trabalhos de sua majestade não apresentadas nesta série trazem as mesmas canções versionadas para a língua hispânica, com uma ou outra variação na posição da ordem das canções.

Um forte abraço a todos!

quarta-feira, 27 de julho de 2016

CD Roberto Carlos Volver

Até 1986, Roberto Carlos lançava seus discos em português e os versionava por completo no ano seguinte, lançando o resultado em espanhol. Este é um trabalho que tornou-se diferenciado pois a partir de 1988, passou a incluir algumas canções feitas originalmente naquela língua para seus lançamentos por lá, compostos por Roberto Livi que, também produzia algumas faixas, quando não o disco por completo.

Este trabalho rendeu ao rei o Grammy como melhor cantor, muito antes de criarem a versão Grammy Latina. Do disco de 1987 lançado no Brasil, temos Telepatia (versão de Tô chutando lata), Antiguamente era así (versão de Antigamente era assim), Ingenuo y soñador (versão de Ingênuo e sonhador), La vida te ofrece otras cosas (versão de O careta e banida dos lançamentos posteriores), Aventuras (em espanhol) e Cosas del corazón (versão de Coisas do coração).

As canções Volver e Si el amor se va foram lançadas no disco do Brasil do final daquele ano, sendo que a segunda foi versionada e apresentada como Se o amor se vai. Presente apenas neste trabalho temos a inédita Tristes momentos. As fotos de capa e contracapa foram as mesmas do lançamento do Brasil em 1987.

Um forte abraço a todos!

domingo, 24 de julho de 2016

CD Roberto Carlos Sonrie

O CD Sonrie foi lançado em 1989 e teve como base o trabalho lançado em português em 1988, inclusive com as fotos de capa e contracapas, que são as mesmas, havendo apenas um rodízio em suas posições. Entretanto, este CD veio apenas com 9 canções, incluindo a faixa Águila dorada (versão de Águia dourada, do CD lançado no Brasil em 1987).

Do disco de 1988, temos Se divierte y ya no piensa en mi (versão de Se diverte e já não pensa em mim), Si me dices que ya no me amas (versão de Se você disser que não me ama), Todo el mundo es alguién (versão de Todo mundo é alguém), Que es lo que hago (versão de O que é que eu faço) e Vivir sin ti (versão de Eu sem você). 

As canções Si me vas a olvidar e Sonrie (versão em espanhol de Smille, de Charles Chaplin) seriam lançadas no disco do Brasil no final do ano, sendo que a primeira foi versionada e apresentada como Se você me esqueceu. E inédita encontrada apenas neste trabalho temos a belíssima Abre las ventanas a el amor, outra bela canção que poderia diversificar mais o repertório de shows lá fora de sua majestade.

Um forte abraço a todos!