quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Feliz Ano Novo!

Essa é uma postagem especial para desejar a você, amigo do Blog Música do Brasil, uma ótima passagem de ano e um 2011 cheio de boas realizações em sua vida! Você que por aqui passa, pesquisa, comenta ou apenas lê o que comentamos sobre a melhor música do mundo, muito obrigado e espero contar com essa parceria em 2011!

Um ano novo com boas realizações, saúde, paz e claro, muita música em nossos corações. Vamos torcer para que em 2011 nossos artistas estejam cada vez mais empenhados em seus trabalhos, inspirados em suas composições e que sejamos brindados com os bons frutos disso tudo, seus lançamentos que poderão ser comentados por aqui.

Também não vamos esquecer daqueles que colaboraram com essa que é e sempre será a melhor música do planeta, para amantes como eu e você que a cultuam todos os dias em cds, dvds, shows, programas, em qualquer detalhe que envolva esse sentimento musical. E diariamente estaremos por aqui juntos e contemplando mais um Feliz Ano Novo Musical, seguindo por essa estrada musical, pela qual tanto gostamos de passear!

Boas Festas e Um forte abraço a todos!!

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Os Músicos do Brasil - 17

Essa Série também se desenvolveu mês a mês e acabamos compreendendo um pouco da importância de vários instrumentistas como tantos outros que ainda abordaremos e como esse que vos apresento: Wilson das Neves. Natural do Rio de Janeio/RJ, embora também figure como cantor e compositor, Wilson é mesmo "a referência" em termos de baterista nesse país.

Desde muito jovem já tocava seu instrumento e tem em seu currículo os mais variados artistas, pois começou a acompanhar nomes da música brasileira ainda na década de 50, até os dias atuais, trabalhando na banda de Chico Buarque desde os anos 80. Além do Chico, já acompanhou Elza Soares, Elis Regina, Wilson Simonal, Elizeth Cardoso, Roberto Carlos, Ney Matogrosso, Tom Jobim, Francis Hime, Zeca Pagodinho, João Donato, Sarah Vaughan, Michel Legrand, Clara Nunes, Nara Leão, Maria Bethânia, João Bosco, Emílio Santiago, Gal Costa, Nelson Gonçalves, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Alcione, Beth Carvalho, entre mais de 600 nomes.

Wilson também é compositor, tendo dividido obras com o próprio Chico Buarque, Aldir Blanc e Paulo César Pinheiro, dentre outros. E depois de perceber um currículo como esse, marcante em várias gravações e shows de tantas personalidades importantes desse país, não sobram dúvidas de que estamos diante de um grande mestre em termos de instrumentistas de nosso país!

Um forte abraço a todos!

domingo, 26 de dezembro de 2010

Roberto Carlos Especial 2010!

Rei no especial 2010 cantando Emoções
Como faz desde 1974, recebemos ontem o presente de Natal vindo diretamente do papai Noel da Música do Brasil: Roberto Carlos e seu tradicional especial de fim de ano, que aconteceu para nós telespectadores, quase ao vivo da praia de Copacabana no Rio de Janeiro. Apesar de parecer abatido por conta de problemas no joelho, o que o fez cantar quase todo show em um banquinho, o rei não perdeu a majestade e mais uma vez emocionou seu público!

O melhor número da noite. Cortesia do Zé Jeimis.
Após a abertura instrumental, o rei manda ver em Emoções, Além do horizonte e para surpresa de muitos, o rei reverencia a praia, cantando Copacabana (princesinha do mar) do João de Barro, e afirmando sonhar morar em Copacabana quando veio de Cachoeiro do Itapemirim/ES. Na sequência, Eu te amo te amo te amo, Amor perfeito e Cama e mesa, até chamar ao palco a primeira convidada: Paula Fernandes, com quem fez o melhor número da noite, a meu ver onde travaram uma espécie de diálogo musical com Eu te adoro meu amor, Eu sou terrível, Eu te darei o céu, Na paz do seu sorriso, Ciúme de você, Não quero ver você triste e Nossa canção.

Sentado ao banquinho por problemas no joelho.
O rei teve seus momentos solos em números como Detalhes, Lady Laura, Mulher pequena, Proposta, O côncavo e o convexo e Todos estão surdos. Também dividiu o microfone mais uma vez com Bruno e Marrone em Dormi na praça, da dupla que também cantaram sozinhos Desabafo, numa alusão ao projeto Emoções sertanejas; e Exaltasamba em um medley que envolvia canções da banda como Tô vendo aquela lua e Fugidinha, e Nêga e Além do horizonte do Roberto, em ritmo de samba, passo para chamar a Beija-flor com sua bateria e com Neguinho, que cantou o tema da Escola em 2011, em homenagem ao rei.

Por fim, tivemos Noite Feliz com o Coral da Escola de Música da Rocinha e Jesus Cristo, finalizando a noite com a tradicional chuva de flores. Com todo esforço possível e levando paz ao Rio, ao Brasil, ao Mundo, Roberto Carlos nos dá mais uma vez esse grande presente, essa tradição de anos, sempre com muitas emoções aos nossos corações apaixonados! Junto a sua equipe, ao maestro, aos músicos, à toda parte técnica, nos dá um exemplo de dedicação e profissionalismo e só posso oferecer em troca meu humilde agradecimento de fã!

Um forte abraço a todos!

sábado, 25 de dezembro de 2010

Noite feliz

Essa sim está entre os dez maiores clássicos natalinos e não pode faltar em qualquer cd que se queira falar sobre essa época. Talvez seja a canção mais famosa dessa época, Noite feliz foi composta em 1818 na Áustria, pelo padre Joseph Mohr e sua tradução em português mais conhecida e divulgada (pois houveram outras), foi feito pelo frei Pedro Sinzig, tornando-se por seu tempo Domínio público.

Noite feliz é cantada em toda a parte do mundo. Lembro que na infância, aprendemos essa canção na escola e sempre foi muito lindo ver crianças cantando essa canção dentre os corais apresentados nessa época. Curioso é que além de Simone, Chitãozinho e Xororó e Roupa Nova, diversos artistas já registraram suas versões para esse clássico como Andrea Bocelli, Dionne Warwick, José Carreras, Luciano Pavarotti, Plácido Domingos, Nat King Cole, Whitney Houston, entre outros.

Natal simboliza reflexão, esperança, paz, amor fraterno, respeito humano e todos os elementos que Jesus Cristo nos dedica com esse gesto de se fazer homem para nos salvar, nascendo na forma mais humilde possível. Desejo a todos que esses e outros elementos cristãos estejam em todas as famílias hoje e que todos os dias possam ser Natal em nossos corações!

Noite feliz (Silent Night)
(Joseph Mohr, Franz Gruber e Frei Pedro Sinzig)

Noite Feliz, Noite Feliz
Oh! Senhor, Deus de amor
Pobrezinho, nasceu em Belém
Eis na lapa, Jesus, nosso bem
Dorme em paz, oh! Jesus!
Dorme em paz, oh! Jesus!

Noite Feliz, Noite Feliz
Oh! Jesus, Deus da luz!
Quão afável é teu coração
Que quiseste nascer nosso irmão
E a nós todos salvar!
E a nós todos salvar!

Noite Feliz, Noite Feliz
Eis que no ar vem cantar
Aos pastores, os anjos no céu
Anunciando a chegada de Deus
De Jesus Salvador!
De Jesus Salvador!

Feliz Natal e um forte abraço a todos!

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Olhando as estrelas - 11

Na gravação do dvd da marrom em 2003.
Essa série nasceu esse ano, retratando encontro entre grandes nomes, estrelas, divas, astros da nossa música. E finalizamos com a décima primeira edição onde resgatamos os encontros entre Maria Bethânia e Alcione. Uma, diva da música brasileira, outra, diva do samba nacional, já se encontraram em alguns momentos de suas carreiras em shows e discos.

Em discos, por exemplo, estão os melhores momentos desses encontros como nos duetos das canções O meu amor, de Chico Buarque, no cd Álibi da Bethânia em 1978, ou Ternura Antiga, de Dolores Duran, mais recentemente no Dvd Alcione ao vivo 2, de 2003. Temos ainda outros duetos em discos como Linda flor em 1998, no cd Celebração da Alcione e Roda ciranda, no cd Da cor do Brasil de 1984, da mesma.

Em 2009, na festa de D. Canô.
Segundo relatos que encontramos sobre esses encontros na internet, Bethânia gravar com Alcione foi muito importante para quebrar algumas cadeias de preconceitos existentes em relação a sambistas como ela. Bethânia sempre soube das coisas e a Marrom é mesmo aquela estrela de voz inconfundível, então a música brasileira só tem a ganhar com a grandeza dessas duas em suas respectivas carreiras e também em momentos ímpares, quando estiveram juntas, nos premiando com isso!

Um forte abraço a todos!

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Os compositores do Brasil - 34

E a Série chega a sua última edição de 2010 com um dos maiores nomes da nossa música brasileira: Roberto Zenóbio Affonso de Carvalho, ou simplesmente Roberto de Carvalho como é conhecido no meio artístico. Natural do Rio de Janeiro/RJ, é o esposo e parceiro principal nas composições de Rita Lee. Como músico é guitarrista, pianista e maestro da banda que acompanha Rita, além de ter trabalhado também com outros nomes como Ney Matogrosso, Jorge Mautner e Arnaldo Antunes.

É nas composições que mais contribui na música brasileira, em parcerias históricas com a Rita em canções como Lança perfume, Saúde, Jardins da Babilônia, Doce vampiro, Nem luxo nem lixo, Flagra, Desculpe o auê, Mania de você, Caso sério, Baila comigo, Amor e sexo, Alô alô marciano, Banho de espuma, Chega mais, Coisas da vida, Mutante, Pega rapaz, Só de você, Ti ti ti, entre outras.

Roberto além de sensacional músico talentoso, é dono dessas canções não apenas interpretadas pela Rita, mas por outros artistas como Kid Abelha, Fábio Jr., Maria Bethânia, Frejat, Milton Nascimento, Ed Motta, Elis Regina, Roupa Nova, Daniela Mercury, Hebe, entre outros que só ressaltam em seus respectivos repertórios o talento de mais um grande compositor que o Brasil possui!

Um forte abraço a todos!

domingo, 19 de dezembro de 2010

CD e DVD Emoções Sertanejas

Fim de ano no Brasil é sinônimo de novo disco de Roberto Carlos, como falei nos outros anos. Esse ano temos o cd e dvd Emoções sertanejas, resultado do show gravado em março, proporcionando o cd duplo, lançado em abril e o dvd, lançado em setembro. Ambos com o mesmo repertório, tratam-se de um projeto em que o rei da música brasileira reverencia os astros da música sertaneja, que tanto já lhe renderam homenagens ao longo de suas carreiras, nas quais Roberto é uma referência marcante.

O repertório é todo com canções de sua majestade com A distância (Milionário e Zé Rico), Proposta (Cesar Menotti e Fabiano), As curvas da estrada de Santos (Nalva Aguiar), Eu te amo te amo te amo (Gian e Giovani), Alô (Martinha), Desabafo (Bruno e Marrone), Caminhoneiro (Dominguinhos e Paula Fernandes), Todas as manhãs (Sérgio Reis), O quintal do vizinho (Almir Sater), Esqueça (Elba Ramalho), Jesus Cristo (Victor e Léo), Eu disse adeus (Roberta Miranda), O portão (Zezé di Camargo e Luciano), Quando (Zezé di Camargo e Luciano e Daniel), Do fundo do meu coração (Daniel), Sentado à beira do caminho (Rio Negro e Solimões), Por amor (Leonardo), Eu preciso de você (Chitãozinho e Xororó) e É preciso saber viver (Leonardo e Chitãozinho e Xororó).

No dvd temos extras como a abertura instrumental com o maestro Eduardo Lages, que também produz o trabalho, além de trechos dos ensaios, depoimentos dos artistas, uma homenagem a Tinoco e claro, o encerramento (também no cd) com Roberto cantando Como é grande o meu amor por você e Eu quero apenas com todas as vozes juntas. Destaco como faixas mais emocionantes O quintal do vizinho, Eu disse adeus, Por amor e Caminhoneiro, que me levou às lágrimas com Paula e Dominguinhos. Esse é o produto do rei, que mesmo não saindo no final do ano como tradicionalmente acontecia é o trabalho que ele oferta a seus fãs sempre com "muitas emoções", dessa vez com um tom de interior do Brasil!

Um forte abraço a todos!

sábado, 18 de dezembro de 2010

Então é Natal

Eu ainda devo aos meus leitores algumas postagens sobre os Beatles. Prometo isso para 2011. Por enquanto, vamos a mais um clássico do Natal, e porque não dizer também um clássico do John Lennon em parceria com a Yoko Ono. Simone a gravou em 1995 numa versão bem sucedida de Cláudio Rabello, posteriormente também gravada pelo Pe. Marcelo Rossi e Roupa Nova.

Composta em 1971, essa canção tinha a função de pedir pela paz no Vietnã. E só veio ganhar sucesso mundial depois de 1980, quando seu autor já partira para a eternidade. Sua letra questiona nossas atitudes, nossa união, enfatizando que se trata de uma festa para todos sem distinção, coisas que só o Natal oferece para a humanidade, com uma festa repleta de sinos, brilho, iluminação, elementos que remetem à paz sonhada pelo John e por todos nós!

Então é Natal (Happy Christmas)
(John Lennon, Yoko Ono e Cláudio Rabello)

Então é Natal, e o que você fez?
O ano termina e nasce outra vez
Então é Natal, a festa Cristã
Do velho e do novo, do amor como um todo.

Então bom Natal, e um ano novo também
Que seja feliz quem, souber o que é o bem

Então é Natal, pro enfermo e pro são
Pro rico e pro pobre, num só coração
Então bom Natal, pro branco e pro negro
Amarelo e vermelho, pra paz afinal

Então bom Natal, e um ano novo também
Que seja feliz quem, souber o que é o bem

Então é Natal, o que a gente fez?
O ano termina, e começa outra vez
E Então é Natal, a festa Cristã
Do velho e do novo, o amor como um todo

Então bom Natal, e um ano novo também
Que seja feliz quem, souber o que é o bem
Harehama, Há quem ama, Harehama, ha...
Então é Natal, e o que você fez?
O ano termina, e nasce outra vez
Hiroshima, Nagasaki, Mururoa...
É Natal, É Natal, É Natal!

Um forte abraço a todos!

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Fui eu que consegui ficar e ir embora...

Os artistas da Jovem Guarda também receberam destaque em diversas postagens esse ano e fechamos com uma grande cantora dessa época: Vanusa Santos Flores. Natural de Cruzeiro/SP, quem presenciou nos últimos meses polêmicas envolvendo essa cantora talvez nem saiba de seu talento, que vem de muito cedo pois aprendeu violão muito jovem e aos 16 anos já cantava em conjuntos de rock.

Iniciou sua carreira em 1966 já nos últimos momentos da Jovem Guarda, quando cantou seu primeiro sucesso Pra nunca mais chorar. Mas, seu maior sucesso foi Manhãs de setembro, já nos anos 70. Outros sucessos de seu repertório são: Paralelas, Mudanças, Hino ao amor, Como vai você, Sonho de um palhaço, Caminhemos, Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones, O Homem de Nazareth, etc.

Com uma grande voz, Vanusa tem um público fiel, alheio a todas essas polêmicas envolvendo seu nome. Afinal, quem nunca errou em uma canção ou desafinou ou se apresentou sem estar 100%? É triste que em momentos assim, as pessoas preferem abrilhantar os erros, ofuscando os acertos que cobrem a carreira do artista que também é um ser humano e os admiradores da Vanusa sabem muito bem disso!

Um forte abraço a todos!

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Tornei-me um ébrio...

Esse ano, comentamos bastante sobre os artistas da Era do rádio, nomes que de repente nunca foram ouvidos pelas novas gerações, mas que ajudaram a construir a música brasileira que tanto apreciamos. E um deles foi Antônio Vicente Felipe Celestino ou simplesmente Vicente Celestino. Natural do Rio de Janeiro/RJ, ele foi um dos maiores nomes do gênero romântico da primeira metade do século passado.

Com uma voz de tenor e uma pinta de galã, Vicente Celestino emplacou vários sucessos radiofônicos de sua época como O ébrio, sua canção mais lembrada até hoje. E, além dessa, também cantou Conceição, Creio em ti, Se todos fossem iguais a você, Ai ioiô (Linda flor), Coração materno, Porta aberta, Patativa, Noite cheia de estrelas, Mia Gioconda, Ontem ao luar, entre outras.

Vicente partiu para a eternidade em 1968, quando participaria de uma homenagem realizada pelo pessoal da Tropicália. Será sempre lembrado não apenas por seu vozeirão ou por seu clássico O ébrio, mas sobretudo por sua contribuição à música brasileira como um todo e por suas influências aos artistas posteriores que o citam como uma inspiração em seus trabalhos!

Um forte abraço a todos!

domingo, 12 de dezembro de 2010

CD duetos com o mestre Lua

E amanhã comemoramos mais um aniversário do eterno rei do baião e nosso Blog, de forma singela, o homenageia com esse cd lançado em 2001. Produzido pelo compositor Paulo Debétio, uniu à voz do rei do baião, vários de seus súditos, com arranjos novos e modernos. Algumas dessas faixas foram extraídas de gravações originais realizadas pelo mestre e outras, produzidas póstumas.

A faixa de abertura fica em família, pois temos Gonzagão, Gonzaguinha e Daniel Gonzaga, filho de Gonzaga Jr. Na sequência, temos Súplica cearense (com Jorge Aragão), Procissão (com Chico Buarque), Respeita Januário/Riacho do navio/Forró no escuro (com Fagner), A volta da Asa branca (com Chitãozinho e Xororó), No dia em que eu vim-me embora (com Lenine), Fica mal com Deus (com Zé Ramalho), Farinhada (com Elba Ramalho), Forró n°1 (com Gal Gosta), Depois da derradeira (com Dominguinhos), Luar do sertão (com Milton Nascimento), Paraíba (com Emilinha Borba) e Hora do adeus (com Falamansa).

Gonzaga é a eterna voz do sertão e isso se torna repetitivo quando um nordestino enfatiza essa dádiva. Entretanto, é pouco diante do sucesso que esse homem alcançou cantando as tradições desse lugar, o amor a essa terra, cantando seus detalhes como ninguém e alcançando a todos os moradores, oferecendo um pouco do que é felicidade em termos de músicas. Uma saudade ímpar na minha vida, especificamente que envolve Gonzagão é a lembrança de ver meu avô e seu irmão cantando e tocando aquele repertório inesquecível, representando em parte nessa coletânea!

Um forte abraço a todos!

sábado, 11 de dezembro de 2010

Natal Branco

Outra canção clássica dessa época, gravada por Simone, Roupa nova e Chitãozinho e Xororó em seus respectivos discos de Natal. E o curioso é que, embora aqui no Brasil não exista a neve, a canção também tornou-se um clássico na versão de Marino Pinto, caracterizando algumas das poucas versões que obtiveram êxito.

Acho interessante imaginar que essa canção une Natal ao sentimento de paz, diante de tantas guerras, tantos sentimentos egoístas, tanta ambição. O trecho "Os pinheiros brancos de neve são como torres de uma catedral...'' enfatiza esse sentimento de que é uma noite de reflexão, em busca da alma regenerada e que reforça o desejo de que todos os dias poderiam ser Natais.

Natal branco (White Christmas)
(Irving Berlin e Marino Pinto) 

Lá,onde a neve cai
Sinos festejam a noite de Natal
Os pinheiros brancos de neve
São como torres de uma catedral

Lá,onde a neve cai sempre
Por sobre a lua tropical
O Natal é sempre oração
Oração de paz universal!

Um forte abraço a todos!

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Blog Música do Brasil - 3º aniversário!!!

Dia de festa virtual na internet: esse Blog chega ao terceiro aniversário e isso muito me gratifica, pois além de ser uma terapia, com ele  busco colaborar de forma simples com a Música do Brasil que é uma das minhas paixões. E toda festa tem bolo, então fatias e mais fatias a todos que também compartilham com essa paixão, um brinde à música brasileira.

Como professor de matemática, não posso esquecer dos números, pois eles incentivam a continuar acreditando que o trabalho está seguindo de forma certa e alcançando àqueles que gostam desse tema: desde sua criação são mais de 150 mil acessos, mais de 1700 comentários dos mais variados visitantes, mais de 650 postagens, acesso de mais de 30 países no mundo todo, mais de 300 personalidades abordadas entre cantoras, cantores, bandas e duplas, mais de 100 letras de canções apresentadas, mais de 100 cd´s e dvd´s indicados. Isso pode até parecer pouco porque muitas outras ideias surgem, entretanto significa  que este espaço continua alcançando seu objetivo número um: falar da música brasileira sobre vários aspectos, sem preconceito, a todos que amam esse tema.

Continuaremos a falar sobre artistas que surgem, que possuem carreira sólida ou que já não estão conosco, em nosso plano. Vamos explorar alguns menos conhecidos, esquecidos pela mídia, mas que compõem a história dessa tão eclética e por isso, tão maravilhosa música brasileira. Textos musicais, cd´s, dvd´s, programas, séries, e outras novidades virão nesse próximo momento, sempre passeando pelo presente e pelo passado da nossa música. Obrigado a todos pelo companherismo, pelo apoio, pela compreensão, pela contribuição. Vamos nos deliciar por mais este ano e com este bolo virtual que dedico a todos que por aqui passarem! Viva à Música do Brasil!

Um forte abraço a todos!

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Eles são cariocas...

Eles são Os cariocas, grupo vocal importantíssimo na música brasileira, sobretudo para o gênero Bossa Nova. A atual formação é com Severino Filho, Elói Vicente, Neil Carlos Teixeira e Hernane Castro. Já participaram em outras versões: Ismael Netto, Ari Mesquita, Salvador e Tarquínio, Badeco, Waldir Viviani e Quartera.

O grupo foi criado em 1942 por Ismael Netto e a partir daí houveram várias formações até o que conhecemos atualmente. Participaram de vários programas das rádios e seguiram suas carreiras realizando vocais para gravações e shows dos mais variados artistas como Marlene, Erasmo Carlos, Tom Jobim, João Gilberto, Elis Regina, Vinicius de Moraes, Wanda Sá, Gilberto Gil, Milton Nascimento, etc.

Entre os sucessos interpretados pelo grupo estão Samba de uma nota só, Samba do avião, Desafinado, Ela é carioca, Minha namorada, Inútil paisagem, Só tinha de ser com você, Corcovado, Preciso aprender a ser só, Samba de Verão, Águas de março, Sampa, Qui nem jiló, Wave, etc. Eles são simplesmente exemplos de um trabalho refinado e com uma qualidade ímpar em trabalhos vocais!

Um forte abraço a todos!

domingo, 5 de dezembro de 2010

CD e DVD Cauby sings Sinatra

Um dos melhores presentes para esse fim de ano, para quem gosta, claro: Cauby sings Sinatra, cd e dvd gravado ao vivo em que Cauby Peixoto interpreta clássicos de Frank Sinatra. Desde que fez o dvd Eternamente Cauby Peixoto, que o intérprete de Conceição, mostra que a cada dia acalentava o desejo de interpretar um projeto assim, só com canções do Sinatra. Já havia feito algo parecido nos anos 90 quando fez um disco com versões em português das canções do Sinatra.

Ano passado, Cauby apresentou um projeto diferenciado, interpretando as canções do rei Roberto Carlos. Esse ano, trocou o rei do Brasil pelo rei dos Estados Unidos e mandou ver em canções escolhidas pelo próprio Cauby e com produção de Thiago Marques Luiz. Baseado em um show realizado em maio/2010, o repertório passeia pelas mais clássicas do Sinatra, com direito à interpretação da melhor voz do país.

Estão lá I've got you under my skin, All the way, All the things you are, Strangers in the night, Something, The world we knew, Let me try again, Fly me to the moon, Moon river, Laura, 'S Wonderful, Night and day, My way e Theme from New York New York, tanto no cd quanto no dvd, onde Cauby realiza não apenas seu sonho pessoal, mas o de vários amantes da boa música brasileira, inclusive o meu que sempre enfatizei a necessidade de alguém retratar esse repertório para nós, entendendo que, por sua paixão com esse tipo de canção, não poderíamos pensar em outro nome que o eterno professor Cauby Peixoto!

Um forte abraço a todos!

sábado, 4 de dezembro de 2010

O Velhinho

Dezembro é sempre assim: muitas luzes brilhando, árvores, guirlandas, presépios, presentes e outras tradições, além de música, muita música. E algumas canções dessa época se tornam clássicos, como já comentado em anos anteriores, tornando-se atemporais. É o caso de O velhinho, canção já interpretada por artistas como Simone, Fernanda Takai, Chitãozinho e Xororó e Roupa Nova.

A figura do Papai Noel é das mais populares no mundo e reside em uma fantasia que agrada a muitos e desagrada a outros. Polêmicas a parte, sabemos que infelizmente não é bem como a letra fala, pois para os mais pobres não existe a ilusão que a outros até faz bem escrever ao bom velhinho Noel e esperar que na véspera do Natal, ele apareça e se lembre dos que mantiveram bom comportamento.

Também não acho que deveriam se misturar o lado religioso com o lado da ilusão do bom velhinho que só faz bem às crianças que recebem sua visita, pois dizem que a figura do Noel se inspirou em São Nicolau Taumaturgo, que no ano 300 na Turquia, presenteava as pessoas com sacos colocados na chaminé. E O velhinho é um dos clássicos natalinos brasileiros, pois seu compositor é carioca.

O velhinho
(Otávio Babo Filho)

Botei meu sapatinho
Na janela do quintal
Papai Noel deixou
Meu presente de Natal

Como é que Papai Noel
Não se esquece de ninguém
Seja rico ou seja pobre
O velhinho sempre vem

Um forte abraço a todos!

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Logo eu com meu sorriso aberto...

O mundo do samba é formado também por grandes nomes femininos a exemplo de D. Yvone Lara, Beth Carvalho, Alcione, Clara Nunes, Leci Brandão e Jovelina Faria Belfort, ou como foi conhecida: Jovelina Pérola Negra. Natural do Rio de Janeiro/RJ, Jovelina integrou o grupo de sambistas que valorizariam esse estilo nos anos 80 e 90, abrindo espaço para novas gerações que estão aí.

Voltada para o partido-alto, Jovelina lançou seus primeiros sucessos em 1985 com Bagaço da laranja e Feirinha da Pavuna. E depois vieram outros sucessos como Pagode no Serrado, Menina você bebeu, Banho de felicidade, Falso malandro, Sorriso aberto, Não tem embaraço, Luz do repente, etc. Teve também um disco gravado com D. Yvone Lara em 1986.

Jovelina partiu para a eternidade em 1998, deixando o mundo do samba menos alegre, pois representava a melhor partideira carioca, além de ser um grande nome não apenas nesse estilo, mas na música brasileira, reverenciada por vários colegas como uma grande referência musical!

Um forte abraço a todos!

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Cantador não escolhe o seu cantar...

Demorei bastante para fazer uma postagem em homenagem a Dori Caymmi. Não por falta de reconhecimento de seu trabalho valioso e histórico para a música brasileira, mas nunca quis polemizar suas declarações que atingem talvez não os artistas, mas os fãs. Até compreender que Dori é assim mesmo, fala o que quer e não poupa ninguém, rsrs. Democracia é também respeitar as diferenças.

Natural do Rio de Janeiro/RJ, Dorival Tostes Caymmi integra uma família de peso: filho de Caymmi, irmão da Nana e do Danilo. Além disso é dos músicos mais renomados que esse país possui, já tendo trabalhado, além da sua família, com Nara Leão, Edu Lobo, Elis Regina, Caetano Veloso, Gal Costa, Gilberto Gil, Fagner, Milton Nascimento, Chico Buarque, Ivan Lins, Tom Jobim, entre outros e compôs canções memoráveis para a música brasileira como É o amor outra vez, Saudade da Bahia, Alegre menina, Chutando lata, O cantador, Saveiros, Posto, Desenredo, Sem poupar coração, etc.

Que ele é um músico refinado, que busca uma construção harmônica bem trabalhada para seus arranjos é louvável e seria legal se tivéssemos mais Doris por aí. Mas, não é fácil compreender a forma como ele emite suas declarações, usando palavras pesadas como submúsica (como fez com Roberto Carlos e Sandy e Jr.) que soa muito grosseiro e dissonante demais para quem tem uma representatividade musical como a dele. Acaba ferindo fãs como eu que aprecia o Roberto e seu repertório, que me ensinou a reconhecer o talento de pessoas como o próprio Dori, embora creio que ele mesmo nunca acreditasse, se um dia lesse isso.

O próprio Caymmi tem coisas simples e belíssimas e o simples nesse caso não parece ser fácil porque não temos outros Caymmis por aí. Roberto também não deve dar bola a isso, pois já cantou divinamente obras de Caymmi como Acalanto e Rosa morena, esta última em um especial. Nana e Danilo também já gravaram Roberto, provando que é apenas uma opinião particular do Dori, que tem mesmo esse jeito de falar não apenas do Roberto, mas até de colegas pelos quais nutre afeto, por isso acabo aprendendo que o devo respeitar por ser assim, até porque recorro à nobreza do próprio Roberto, que já afirmou em canção: "Se as cores se misturam pelos campos, é que flores diferentes vivem juntas!

Um forte abraço a todos!

domingo, 28 de novembro de 2010

Olhando as estrelas - 10


Show no Maracanã em 11/07/2009.
 E a Série Olhando as estrelas chega a décima edição de uma forma dez, com a dupla de maior sucesso nacional de todos os tempos em canções no topo das paradas: Roberto Carlos e Erasmo Carlos. Essa dupla é sucesso desde 1958 quando se conheceram e firmaram uma parceria histórica na música brasileira com mais de quinhentas composições, dentre elas, muitos topos das paradas de sucessos, além de encontros memoráveis na música brasileira.

Basta citar que entre essas composições estão clássicos como Emoções, Detalhes, As curvas da estrada de Santos, A distância, Desabafo, Sentado à beira do caminho, Café da manhã, Caminhoneiro, Fera ferida, Amigo, Cavalgada, Além do horizonte, O portão, Sua estupidez, Amada amante, Debaixo dos caracóis dos seus cabelos, A montanha, O côncavo e o convexo, Proposta, Minha superestar, Panorama ecológico, Gatinha manhosa, Jesus Cristo, Eu quero apenas, À distância, Eu te amo te amo te amo, Quero que tudo vá pro inferno, A volta, Nossa Senhora, É proibido fumar, Minha fama de mau, e tantas outras que não caberiam em apenas um parágrafo de postagem.


Erasmo e Roberto nos anos 70.
 Além de figuras fundamentais da Jovem Guarda, Roberto e Erasmo proporcionaram encontros memoráveis em discos e nas telinhas. Em discos, temos em 1980, a gravação de Sentado à beira do caminho no projeto Erasmo Convida. Já em 1988, tivemos outro dueto, dessa vez em disco do rei, onde dividem a faixa Papo de esquina. Tivemos também os dois atuando no cinema, onde os maiores destaques foram os filmes Roberto Carlos e o diamante cor-de-rosa (1969) e Roberto Carlos a 300 km/h (1971).

E entre tantos encontros em especiais do rei (Erasmo foi o convidado que mais apareceu por lá), temos alguns mais marcantes como por exemplo em 1977 quando, vestidos a caráter, homenageram Elvis em um medley que pode ser encontrado no cd/dvd Duetos do Roberto de 2006. Ainda em 1977, tivemos a apresentação da canção Amigo feita para Erasmo e um abraço apertado e emocionado inesquecível. Em 2009 no show do Maracanã, pelos 50 anos de carreira do rei, outro encontro emocionado da dupla.

Anos 60.
E eles são estrelas não apenas por tudo de grandioso que já fizeram, mas também pela enorme contribuição que deram a seus seguidores que colheram grandes valores sobre amor, paz, natureza, religião, dor, drogas, paixão, fé, esperança, animais, auto-estima, educação, cortesia, elegância e tantos outros sentimentos pelos quais suas estrelas brilham cada vez mais forte, pois quem admira essa dupla, com certeza, se emociona e se arrepia quando escuta Roberto gritar: "o meu amigo Erasmo Carlos" e este adentra o palco com a mão simbolizando o coração pulsando, o coração de todos nós!

Um forte abraço a todos!

sábado, 27 de novembro de 2010

Eu sei que vou te amar

Essa não é apenas uma das mais lindas de Tom e Vinícius, mas é uma das mais lindas e românticas do mundo. Todos os apaixonados sonham em cantar ou ter essa canção como trilha sonora de suas vidas. Muitos artistas já gravaram essa canção e entre eles temos Roberto Carlos, Caetano Veloso, Milton Nascimento, Fagner, João Gilberto, Cauby Peixoto, Emílio Santiago, Eduardo Lages e quase todos os grandes intérpretes desse país.

Desde que foi composta em 1958, só comprova que boas canções, bons clássicos não se perdem com o passar do tempo e, ao contrário, alcançam a façanha da imortalidade no pensamento, na lembrança e na voz das pessoas. Há quem afirme que não se trata de uma canção de um amor imortal, embora alguns como eu prefere a versão da interpretação desse amor eterno que pressupõe frases como "Por toda minha vida".

Eu sei que vou te amar
(Tom Jobim e Vinícius de Moraes)

Eu sei que vou te amar
Por toda a minha vida eu vou te amar
Em cada despedida eu vou te amar
Desesperadamente, eu sei que vou te amar

E cada verso meu será
Pra te dizer que eu sei que vou te amar
Por toda minha vida

Eu sei que vou chorar
A cada ausência tua eu vou chorar
Mas cada volta tua há de apagar
O que esta ausência tua me causou

Eu sei que vou sofrer
A eterna desventura de viver
A espera de viver ao lado teu
Por toda a minha vida

Um forte abraço a todos!

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Tô cansada de andar por aí...

Essa é uma dos lançamentos mais recentes que a música brasileira oferece: Paula Lima. Natural de São Paulo, completa esse ano dez anos de carreira, que poderia ser contado desde antes, pois dos sete aos dezessete anos ela tocava piano, enquanto seguia seus estudos na área de Direito.

Participou de várias bandas nos anos 90, até lançar seu disco solo em 2001, É isso aí, com direito à canção inédita de Jorge Ben: A paz dançando na avenida. Outros sucessos de seu repertório são Quero ver você no baile, Foi para o seu bem, Meu guarda chuva, O olhar do amor, Serenata ao luar, Bom mesmo é amar, Gafieira S.A., Valerá a pena, Eu já notei, entre outras.

Paula é daquelas que tem estilo próprio e seus dez anos de carreira mostram que é uma artista que veio para ficar, com todo seu carisma e atitude no palco, com sua voz ímpar e seu balanço que conquista a cada dia um público cada vez mais cativo!

Um forte abraço a todos!

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Os Músicos do Brasil - 16

Ele é um dos maiores nomes em termos de músicos desse país, principalmente por conseguir unir o erudito com o popular em seu trabalho. É Egberto Gismonti Amin, ou simplesmente Egberto Gismonti, como é conhecido. Natural do Carmo/RJ, com influência de músicos em sua família, Egberto iniciou seus estudos de piano aos seis anos de idade.

Sua carreira artística começou ainda na década de 60 quando participou de festivais, destacando-se neles. Ao longo de sua carreira, lançou vários discos como produtor, compositor, músico e participou de discos de outros artistas como Maysa, Wanderléa, Johnny Alf, Naná Vasconcelos, Edu Lobo, Elba Ramalho, Paula Toller, entre outros.

É também autor de várias trilhas sonoras de peças teatrais e filmes, como o recente Chico Xavier. Egberto faz parte do grupo de músicos que o Brasil possui que não deve nada aos músicos estrangeiros e não é um Blog simples de música que diz isso, mas toda sua carreira, seu currículo, seu trabalho, a admiração que ele possui como referência para muitos colegas!

Um forte abraço a todos!

domingo, 21 de novembro de 2010

CD e DVD Lulu Acústico MTV II

Capa do cd/dvd Lulu Acústico Mtv 2
Alguns artistas gravam seus projetos acústicos e, após colherem bons resultados pensam na continuidade e criam um volume 2, uma segunda versão para canções que ficaram fora do primeiro. É o caso do Zeca Pagodinho, Roupa Nova e agora temos o Lulu Acústico MTV 2. Esse projeto traz alguns sucessos mais recentes do Lulu, além de outros que não entraram no primeiro trabalho, nem tiveram uma atenção devida do grande público quando saíram em seus respectivos discos de carreira.

Tenho curtido bastante o cd que se sugiro como um ótimo presente de Natal e com o qual se comemoram 30 anos de carreira do roqueiro, 20 anos da MTV e 10 anos do primeiro acústico do Lulu e traz as faixas E tudo mais (única inédita), Papo cabeça, Um pro outro, Dinossauros do rock, Vale de lágrimas, Tudo Azul, Minha vida, O óbvio (com Jorge Aílton), Adivinha o quê? (em uma belíssima versão em espanhol com Marina de La Riva), Brumário, Baby de Babylon, Já É!, Pra Você Parar e Auto Estima.


Um dos pontos altos do show
Constam ainda só no dvd as faixas Ele falava nisso todo dia, Tuareg e Odara (com Andréa Negreiros e Marina de La Riva). Ainda não vi todo o dvd e creio que passará na programação de fim de ano da MTV. Mas, posso salientar que o cd é uma ótima pedida, sobretudo pelos novos arranjos dados a essas belíssimas canções que, mesmo não sendo as mais clássicas do Lulu, não deixam de serem muito interessantes e terem a marca Lulu Santos de qualidade que todos nós conhecemos e apreciamos!

Um forte abraço a todos!

sábado, 20 de novembro de 2010

Tudo que se quer (All ask of you)

Essa canção é entoada em vários casamentos país afora. Também em bares, fazendo parte de  repertórios dos mais variados cantores da noite. Gravada pelo Emílio Santiago num dueto com Verônica Sabino, é uma versão do Nelson Motta para All ask of you, tema do filme clássico O Fantasma da Ópera. No Dvd O melhor das Aquarelas, o Emílio a interpreta sozinho.

Mais uma canção lindíssima da música brasileira, feita para apaixonados, Tudo que se quer é mesmo para ser entoada em dueto, com direito a suspiros, declarações e gestos que denunciam o próprio amor presente em cada vírgula, em cada palavra dessa belíssima canção de todos os apaixonados!

Tudo que se quer
(Andrew Lloyd Webber e Nelson Motta)

Olha nos meus olhos
Esquece o que passou
Aqui neste momento,
Silêncio e sentimento

Sou o teu poeta
Eu sou o teu cantor
Teu rei e teu escravo
Teu rio e tua estrada

Vem comigo meu amado amigo
Nessa noite clara de verão
Seja sempre o meu melhor presente
Seja tudo sempre como é
É tudo que se quer

Leve como o vento
Quente como o sol
Em paz na claridade
Sem medo e sem saudade

Livre como o sonho
Alegre como a luz
Desejo e fantasia
Em plena harmônia

Eu sou teu homem
Sou teu pai, teu filho
Sou aquele que te tem amor
Sou teu par, o teu melhor amigo
Vou contigo, seja aonde for
E onde estiver estou

Vem comigo meu amado amigo
Sou teu barco neste mar de amor
Sou a vela que te leva longe
Da tristeza, eu sei, eu vou
Onde estiver estou
E onde estiver estou.

Um forte abraço a todos!

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Seu garçom faça o favor de me trazer depressa...

Conhecida como a melhor intérprete de Noel Rosa, essa é Aracy Teles de Almeida. Natural do Rio de Janeiro/RJ, Aracy ganhou essa referência do próprio Noel, por interpretar com exatidão seus sambas. Além de sambista, gravava outros estilos da música brasileira, sobretudo na era do rádio nacional, no período de 30 a 50.

Seu primeiro disco foi lançado em 1934 e o primeiro samba de Noel que gravou foi Riso de criança ainda neste mesmo ano. Seu primeiro grande sucesso nacional veio de Noel também, dois anos depois com Palpite infeliz. Outros sucessos foram Conversa de botequim, O X da questão, Camisa amarela, Fez bobagem, Louco ela é seu mundo, Feitiço da Vila, Pra que mentir, Feitio de oração, Com que roupa, Bom dia tristeza, etc.

Nos anos 70 e 80, Aracy participou como jurada em vários programas de televisão, entre eles, Chacrinha, Bolinha e Silvio Santos, onde se popularizou ainda mais. Partiu para a eternidade em 1988, e é sempre lembrada não apenas como a grande intérprete de Noel, mas um dos maiores nomes da música brasileira, sobretudo do samba da era dos rádios.

Um forte abraço a todos!

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Os compositores do Brasil - 33

Recentemente, falamos do Lô Borges e agora, vamos com seu irmão, outro grande nome do famoso Clube da Esquina: Márcio Hilton Fragoso Borges, ou simplesmente Márcio Borges, que junto a Lô, Milton, Ronaldo e Brant, compuseram os principais compositores do movimento. Natural de Belo Horizonte/MG, Márcio iniciou sua carreira ainda nos anos 60 e hoje é homenageado na série Os compositores do Brasil.

Entre os sucessos de seu repertório estão pérolas como Tudo que você podia ser, Um girassol da cor do seu cabelo, Estrelas, Os povos, A sede do peixe, As ruas da cidade, Pão e água, Para Lennon e MacCartney, Até o amanhecer, Sonho novo, Topo do mundo, Clube da esquina nº 2, Linda juventude, Quem sabe isso quer dizer amor e Trem doido.

Além do Milton e do Lô Borges, temos como intérpretes de sua obra Elis Regina, Flávio Venturini, Beto Guedes, entre outros. Márcio é um dos melhores nomes não apenas da música mineira, mas integra o hall dos compositores refinados desse país e sua música é rica não apenas em regionalismo, mas em harmonia e melodia, na total composição, enfim.

Um forte abraço a todos!

domingo, 14 de novembro de 2010

CD Cazuza - Preciso dizer que te amo

Esta não é uma coletânea com os melhores trabalhos do Cazuza, mas um apanhado das canções mais românticas que ele fez e interpretou ao longo de sua carreira solo e quando ainda era do grupo Barão Vermelho. É o que se percebe logo no início no dueto voz e violão com Bebel Gilberto na histórica Preciso dizer que te amo.  Na sequência, temos Bilhetinho azul e Um trem para as estrelas que provam que na veia do roqueiro pulsava um coração muito romântico.

E é nesse tom de romantismo pop que seguem as canções Minha flor meu bebê, Você se parece com todo mundo, Ritual, Blues do iniciante, Quarta-feira, Perto do fogo e Largado do mundo. As clássicas também não ficam de fora como Codinome beija-flor e Faz parte do meu show, em versões ao vivo.

O lado intérprete do eterno Barão, fica por conta de Luz negra, de Nelson Cavaquinho e O mundo é um moinho do Cartola, que completam o repertório e oferecem ao apreciador da boa música o coração romântico do roqueiro mais amado dos anos 80, sempre com sua irreverência e com seu tom pop e único na música brasileira.

Um forte abraço a todos!

sábado, 13 de novembro de 2010

Dia branco

Dia branco deve ser o maior clássico do Geraldo Azevedo e se não for o maior, está na lista entra as cinco mais clássicas do seu repertório e também das letras mais lindas da música brasileira. Explorada por vários cantores da noite, Dia branco também foi gravada por Simone e por Elba Ramalho, ambas com uma interpretação peculiar e sempre muito delicada que a canção pede.

Uma das mais belas declaração de amor que a música brasileira oferece, Dia branco ressalta o companherismo, o amor incondicional, a boa esperança faça chuva ou faça sol, em qualquer lugar que seja o amor estará sempre presente em uma praça ou no mar, enfim, é o amor infinito e bonito, o amor revestido da paz que canções como essa nos presenteiam.

Dia branco
(Geraldo Azevedo e Renato Rocha)

Se você vier
Pro que der e vier comigo
Eu te prometo o sol
Se hoje o sol sair, ou a chuva

Se a chuva cair, se você vier
Até onde a gente chegar
Numa praça, na beira do mar
Num pedaço de qualquer lugar
Nesse dia branco

Se branco ele for, esse tanto
Esse canto de amor
Se você quiser e vier
Pro que der e vier comigo,
Comigo, comigo...

Um forte abraço a todos!

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Que tal abrir a porta do dia...

Que filho de peixe, peixinho é, já vimos isso em várias postagens por aqui. E hoje não será diferente, pois temos aqui a filha de Jair Rodrigues: Luciana Mello. Natural de São Paulo, Luciana é da nova geração de intérpretes, pois tornou sua carreira mais evidente no cenário nacional em 1999 quando participou de shows em casa paulista, juntamente com artistas contemporâneos, como seu irmão Jair, além de Simoninha, Pedro Mariano, Max de Castro, entre outros.

Embora tenha realizado algumas gravações com o pai e em carreira solo, foi com o cd Assim que se faz que conseguiu sucesso nacional com canções como Assim que se faz, Se, O mar serenou e Simples desejo. Outros sucessos de seu repertório são Da cor do pecado, Olha pra mim, Molambo, Sexo amor e traição, O samba me cantou, Coração leviano, Rosa, Prazer e luz, etc.

Luciana também é uma artista em ascenção e integra o hall das novas intérpretes da música brasileira. Herdou do pai o swing do samba e parte do carisma, pois toda aquela alegria é peculiar do Jair e todos concordam. E é inegável que seus filhos são tão profissionais quanto foi seu trabalho no decorrer de toda sua carreira pois, aqui temos algo que comprova sua boa herança, sua filha Luciana.

Um forte abraço a todos!

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Nasceram flores num canto de um quarto escuro...

Natural de Belo Jardim/PE, mais um conterrâneo que deixa na música brasileira sua marca: Otto Maximiliano Pereira de Cordeiro Ferreira. Passou sua infância no interior e na adolescência mudou-se para o Recife e depois dois anos na França. De volta, passou pelo Rio de Janeiro e voltou ao Recife onde integrou a percussão no início dos grupos Nação Zumbi e Mundo Livre S/A.

Mais tarde, já em 1998, segue carreira solo, onde lança seu primeiro trabalho, mesclando ritmos como maracatu, rap e repente. Entre canções do seu repertório se destacam Tento entender, Garçom, Amarelô, Crua, Pra ser só minha mulher, Agora sim, Seis minutos, Saudade, Naquela mesa, Lágrimas negras, etc.

Atualmente Otto divulga seu mais recente trabalho, lançado ano passado e segue fazendo shows, como uma promessa da nova música moderna brasileira. E está se tornando uma referência, sobretudo com o público jovem e com aqueles que o destacam como um intérprete diferenciado por seu estilo.

Um forte abraço a todos!

domingo, 7 de novembro de 2010

CD O melhor de Eduardo Lages

Primeiro domingo de novembro, mas parece que o Natal já chegou, ao menos já tá chegando e eis aqui um grande presente, uma dica para se juntar à árvore, ao panetone, ao queijo borboleta, ao champangne, aos chocolates, ao som delicioso das canções instrumentais: CD O melhor de Eduardo Lages.

Depois de cinco cds e um dvd  na praça, Eduardo nos presenteia com essa coletânea escolhida pelo próprio maestro, com direito a palpites de fãs que frequentam seu blog. Estão aqui as clássicas Emoções, Detalhes, Além do horizonte, Como é grande o meu amor por você, Outra vez, além dos arranjos mais ousados para canções como Vista a roupa meu bem, Cama e mesa, Olha, Cavalgada e Canzone per te, todas do repertório do rei.

Temos ainda Cenário, que também é imortalizada pelo rei e figura como uma das mais lindas do Eduardo, em parceria com Paulo Sérgio Valle, além de Macartur park e Chega de saudade que exercem uma importância muito grande na carreira do maestro. Por fim, temos como prêmio, uma leitura instrumental e inédita para Smile, canção clássica do Chaplin, com direito a trecho de Luzes da Ribalta, do mesmo autor. É preciso reforçar que se trata de um belo presente de fim de ano? Elegância em forma de canção do maestro que já conquistou esse país com seu trabalho primoroso!

Um forte abraço a todos!

sábado, 6 de novembro de 2010

Cheia de charme

Vez por outra temos relembrado várias letras desse grande compositor, desse grande artista que é o Guilherme Arantes. Canções marcantes e inesquecíveis que todos nós cantamos e assobiamos sempre, como é o caso de Cheia de charme, que se não for a mais popular de seu repertório está entre as dez mais importantes na lista de seus sucessos.

Regravada posteriormente por Chitãozinho e Xororó, Cheia de charme é sucesso desde 1985, quando foi lançada pelo Guilherme e é presença certa em seus shows. Ressalta a paixão por uma pessoa muito charmosa, algo que precisa até ser revisto pelas pessoas: o trato com a elegância, não apenas física, mas na educação, nas atitudes, etc.

Cheia de charme
(Guilherme Arantes)

Quando a vi logo ali tão perto
Tão ao meu alcance, tão distante, tão real
Tão bom perfume, sei lá!

Investi tudo naquele olhar
Tantas palavras num breve sussurrar
Paixão assim não acontece todo dia

Huuuuum! Cheia de charme
Um desejo enorme de se aventurar
Cheia de charme, um desejo enorme
De revolucionar Oh! Oh! Oh!

Me perdi entre os seus cabelos
Pela sua pele nos seus lábios tão macios
Tão bom perfume, sei lá!

Investi tudo naquele olhar
Tantas palavras num breve sussurrar
Paixão assim não acontece todo dia

Huuuuum! Cheia de charme
Um desejo enorme de se aventurar
Cheia de charme, um desejo enorme
De revolucionar Oh! Oh! Oh!

Um forte abraço a todos!

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Parece que eu sabia que hoje era o dia...

Ele é um grande nome da Jovem Guarda, referência desse movimento e lembrado entre os mais importantes dessa época: Wanderley Conti Cardoso. Natural de São Paulo/SP, ainda pequeno participava de programas infantis de calouros e realizou sua primeira gravação aos 13 anos, no final dos anos 50. Depois dos estudos, sua carreira é retomada nos anos 60, principalmente em 1964, quando lança seu primeiro disco.

Já na Jovem Guarda, adquire a referência de O bom rapaz, por conta da canção de mesmo nome. E emplaca outros vários sucessos como Meu amor brigou comigo, Promessa, Doce de coco, Socorro nosso amor está morrendo, É assim que eu te amo, Quando o amor se transforma em poesia, Minha namorada, Preciso tanto de você, entre outras. Wanderley também atuou em filmes e programas de Tvs, como foi o caso de Os trapalhões, em versão anterior à que mais conhecemos.

Atualmente, Wanderley se dedica ao repertório gospel e a seus eternos sucessos nos shows que faz país afora e sempre que temos algum momento de comemoração em relação à Jovem Guarda, seu nome é relembrado, como foi o caso das gravações dos discos de 1995 em comemoração aos 30 anos do movimento e dos vários shows que acontecem em diversos programas por conta desse período marcante de sua vida!

Um forte abraço a todos!

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Dia de finados

Hoje, 02 de novembro, é comemorado o Dia de Finados, onde recordamos nossos entes queridos que partiram para a eternidade. Na nossa música, temos vários nomes que estão na eternidade, mas que permanecem em nossas lembranças pelas contribuições musicais que também se tornaram eternas. Citar todos seria uma tarefa difícil e que uma só postagem não daria conta dessa tarefa. Sempre abordamos individualmente alguns desses artistas que já se foram.

Um dos mistérios da vida é imaginar como é após essa passagem e muitos imaginamos que lá existe um outro mundo de continuidade do nosso. Pensando assim, se tudo continua da forma mais ou menos igual, imagina um local onde residem e continuam trabalhando pela música artistas como Luiz Gonzaga, Cazuza, Raul Seixas, Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Elis Regina, Dolores Duran, Tim Maia, Leandro (da dulpa com Leonardo), Nelson Gonçalves, Nara Leão, Dalva de Oliveira, Maysa, Clara Nunes, Altemar Dutra, Jessé, Gonzaguinha, Dorival Caymmi e tantos outros que mesmo sem citá-los permanecem em nossa saudade.

Realmente, com tudo isso, concluimos que se esses artistas fizeram tanto por nós que, onde estiverem, merecerão receber nossos eternos agradecimentos e, sem sombra de dúvidas, é lá onde brilha a estrela de cada um, reluzendo esse brilho eternamente entre nós!

Um forte abraço a todos!

domingo, 31 de outubro de 2010

Olhando as estrelas - 9


Milton e Rita no camarim após show dela no Rio em set/2010

A Série Olhando as estrelas aborda o encontro entre dois grandes astros, dois grandes medalhões da música brasileira: Rita Lee e Milton Nascimento. Rita, a rainha do rock, encontrou Milton, o rei de Minas, na gravação do Acústico da cantora em 1997, pela MTV. A própria Rita não acreditava ao anunciar que cantaria com "A voz do Brasil", ao chamar ao palco o Milton.

Rita Lee Acústico MTV foi lançado em cd e dvd e já foi comentado aqui. Entre os convidados que dividiram o palco com a roqueira tivemos Titãs, Cássia Eller, Paula Toller e Milton Nascimento que foi o último convidado da noite. Os dois dividiram os vocais na canção Mania de você, um clássico do repertório da Rita.


Milton e Rita no Acústico MTV dela em 1997.
 Não tenho informação se ambos já haviam gravado alguma canção um do outro, mas acredito que esse encontro era até então inédito, seja em shows ou em gravações ou regravações de canções do repertório de cada um. Rita brinca, mudando a letra no final com: "Nada melhor do que nada na cuca, só pra deitar e rolar com Bituca...", nesse que também faz parte do encontro entre duas magníficas estrelas!

Um forte abraço a todos!

sábado, 30 de outubro de 2010

O meu país

E chegamos ao segundo turno das eleições 2010 onde amanhã, dia 31/10, iremos às urnas e decidiremos qual a personalidade irá comandar nosso país nos próximos anos. E, buscando na música brasileira algo referente a esse momento, fui apresentado por minha noiva Juliana a essa belíssima canção interpretada pelo Zé Ramalho e que também já foi gravada pelo Flávio José. Inclusive no Blog O zero e o infinito (http://www.ozeroeoinfinito.blogspot.com/), tem um video bem legal que convido a todos a visitarem sobre esse tema.

Essa canção aponta muitos problemas e desafios a serem enfrentados pelo próximo governante e porque não dizer pelo povo brasileiro. Com certeza, são tantas coisas absurdas que acontecem, desde falta de segurança, educação, fome, e saúde precária, que não parece o país daqueles que se esforçam a cada dia na manhã que levanta cedo, enfrenta lotações e voltam no aperto das mesmas em busca de melhorias como diz a canção:

O meu país
(Livardo Alves, Orlando Tejo e Gilvan Chaves)

Tô vendo tudo, tô vendo tudo
Mas, bico calado, faz de conta que sou mudo

Um país que crianças elimina
Que não ouve o clamor dos esquecidos
Onde nunca os humildes são ouvidos
E uma elite sem Deus é quem domina
Que permite um estupro em cada esquina
E a certeza da dúvida infeliz
Onde quem tem razão baixa a cerviz
E massacram-se o negro e a mulher
Pode ser o país de quem quiser
Mas não é, com certeza, o meu país

Um país onde as leis são descartáveis
Por ausência de códigos corretos
Com quarenta milhões de analfabetos
E maior multidão de miseráveis
Um país onde os homens confiáveis
Não têm voz, não têm vez, nem diretriz
Mas corruptos têm voz e vez e bis
E o respaldo de estímulo incomum
Pode ser o país de qualquer um
Mas não é com certeza o meu país

Um país que perdeu a identidade
Sepultou o idioma português
Aprendeu a falar pornofonês
Aderindo à global vulgaridade
Um país que não tem capacidade
De saber o que pensa e o que diz
Que não pode esconder a cicatriz
De um povo de bem que vive mal
Pode ser o país do carnaval
Mas não é com certeza o meu país

Um país que seus índios discrimina
E as ciências e as artes não respeita
Um país que ainda morre de maleita
Por atraso geral da medicina
Um país onde escola não ensina
E hospital não dispõe de raio x
Onde a gente dos morros é feliz
Se tem água de chuva e luz do sol
Pode ser o país do futebol
Mas não é com certeza o meu país

Tô vendo tudo, tô vendo tudo
Mas, bico calado, faz de conta que sou mudo

Um país que é doente e não se cura
Quer ficar sempre no terceiro mundo
Que do poço fatal chegou ao fundo
Sem saber emergir da noite escura
Um país que engoliu a compostura
Atendendo a políticos sutis
Que dividem o Brasil em mil Brasis
Pra melhor assaltar de ponta a ponta
Pode ser o país do faz-de-conta
Mas não é com certeza o meu país

Tô vendo tudo, tô vendo tudo
Mas, bico calado, faz de conta que sou mudo

Um forte abraço a todos!

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Sensível demais, eu sou um alguém que chora...

Eles são tidos como a dupla sertaneja mais afinada do país. Já se separaram e já voltaram. Natural de Goiânia/Go, são os irmãos José Pereira da Silva Neto e Ralf Richardson da Silva, ou simplesmente Chrystian e Ralf. Desde pequenos, gostavam de cantar e no início dos anos 70, realizaram suas primeiras gravações.

Na década de 80, assumiram o estilo sertanejo e alcançaram grandes êxitos, sendo a primeira dupla sertaneja a gravar um cd e também a alcançar a marca de um milhão de cópias, com sucessos como Chora peito, Sensível demais, Tarde demais, Olhos de luar, Sou eu, Cheiro de shampoo, O futuro é uma incerteza, Na rua na chuva ou na fazenda, Yolanda, Mia Gioconda, Vida dividida, etc.

Um fato curioso é que a canção Sensível demais é uma das primeiras composições de Jorge Vercilo, uma das mais lindas dessa dupla afinadíssima e de vozes macias que os diferencia das demais duplas sertanejas. É deles também o projeto SMD & SMDV, que são novos formatos mais baratos de mídias para áudio e vídeo que poderiam ser estudados como nova alternativa no combate à pirataria.

Um forte abraço a todos!

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Os compositores do Brasil - 32

Na primeira edição dessa série, falamos do Michael Sullivan, dono de grandes hits da nossa música brasileira, sobretudo a partir dos anos 80. E hoje, vamos abordar o principal parceiro do Sullivan nesses sucessos: o carioca Paulo Massadas, que pouco sabemos sobre ele. Nos anos 60, Paulo fazia parte de conjuntos de Lafayette e de Lincoln Olivetti, como baixista.

Mas, foi nos anos 80, com a famosa parceria com Sullivan, iniciada no fim dos anos 70, que se tornaria mais conhecido, desde o primeiro sucesso da dupla Me dê motivo, na voz do Tim. A partir disso, várias canções ganhariam as rádios como Nem morta, Whisky a go go, Um dia de domingo, Transas e caretas, Um sonho a dois, Deslizes, Amor perfeiro, É de chocolate, Leva, Amanhã talvez, Lua de cristal, Talismã, Retratos e canções, Estranha loucura, Fui eu, Custe o que custar, Meu ciúme, Pergunte pro seu coração, Joga fora, Corpo e alma, etc.

E se o leitor ainda não reconhece nesse um extraordinário criador de nossa música, basta ouvir os trabalhos de Joanna, Fafá de Belém, Xuxa, Roberto Carlos, Tim Maia, Gal Costa, Sandra de Sá, Roupa nova, Chitãozinho e Xororó, José Augusto, Julio Iglesias, Zezé di Camargo e Luciano, Rosana, Richard Clayderman, Ângela Maria, entre tantos. Na foto, (raro achar alguma fotografia do Paulo Massadas, localizado à esquerda), ao lado de seu grande parceiro, com quem compôs seus maiores sucessos e também produziram discos de vários artistas.

Um forte abraço a todos!

domingo, 24 de outubro de 2010

CD Fábio Jr. - Com amor

Os maiores sucessos dos anos 80 e começo dos anos 90 estão na coletânea Com amor, que Fábio Jr. lançou em 1996. Em gravações originais, incluindo algumas versões ao vivo do disco de 1989, estão aqui os grandes clássicos gravados de 1986 a 1991, faltando uma ou outra canção desse período mais fértil da carreira desse grande intérprete romântico.

Entre eles, podemos citar Sem limites pra sonhar (dueto com Bonnie Tyler), Ai que saudade d´ocê, Caça e caçador, Senta aqui, Volta ao começo, Ser e estar, Sem limites pra sonhar/Quando gira o mundo (ao vivo), Vida, Eu me rendo, Romaria (ao vivo), Felicidade, Enrosca, O que é que há (ao vivo), Desejos e delírios, Intuição, Pai (ao vivo), Fêmea e Rio e canoa.

É claro que antes dessa fase, durante e depois dela surgiram outras canções lindíssimas que poderiam figurar em uma boa coletânea do Fábio, mas é inegável que aqui estão grandes clássicos de um dos nossos maiores intérpretes, inclusive apresentando na capa foto que condiz com o período dessas canções.

Um forte abraço a todos!

sábado, 23 de outubro de 2010

A dois passos do paraíso

Muitas pessoas se questionam e questionam o paraíso como algo pós-morte e exclusivo para boas almas. Acredito que Deus, de tão generoso que é, proporciona a seus filhos parte do paraíso aqui na terra também. Quantas vezes nos deparamos com imagens fascinantes de praias, mares, verdes, imagens que determinam a perfeição do Criador?

Na música brasileira, vários artistas deixam explícitos em suas criações fragmentos do que seria o paraíso, recheado de amor, paz, sombra, água fresca, sorrisos, beijos, amor e mais amor, claro cada um a seu modo e à sua imaginação. A banda Blitz afirmou estar a dois passos do paraíso nesse clássico inesquecível do rock nacional:

A dois passos do paraíso
(Evandro Mesquita e Ricardo Barreto)

Longe de casa a mais de uma semana
Milhas e milhas distante do meu amor
Será que ela está me esperando?
Eu fico aqui sonhando
Voando alto, perto do céu

Eu saio de noite, andando sozinho
Eu vou entrando em qualquer bar
Eu faço meu caminho

O rádio toca uma canção
É o que me faz lembrar você
Eu fico louco de emoção
E já não sei o que vou fazer

Estou a dois passos do paraíso
Não sei se vou voltar
Estou a dois passos do paraíso
Talvez eu fique por lá
Estou a dois passos do paraíso
Não sei por que eu fui dizer bye, bye

Declamado:

A Rádio Atividade leva até vocês
Mais um programa da séria série
"Dedique uma canção a quem você ama"
Eu tenho aqui em minhas mãos uma carta,
Uma carta de uma ouvinte que nos escreve
E assina com o singelo pseudônimo de
"Mariposa apaixonada de Guadalupe"
Ela nos conta que no dia que seria
O dia do dia mais feliz de sua vida
Arlindo Orlando, seu noivo
Um caminhoneiro conhecido da pequena
E pacata cidade de Miracema do Norte
Fugiu, desapareceu, escafedeu-s
Oh! Arlindo Orlando
Volte, onde quer que você se encontre
Volte para o seio de sua amada
Ela espera ver aquele caminhão voltando
De faróis baixos, e pára-choque duro.
Agora uma canção, canta pra mim,
Eu não quero ver você triste assim...

Estou a dois passos do paraíso
E meu amor, vou te buscar
Estou a dois passos do paraíso
E nunca mais vou te deixar
Estou a dois passos do paraíso
Não sei por que eu fui dizer bye, bye...

Um forte abraço a todos!

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Os Músicos do Brasil - 15

Talvez a primeira grande musicista brasileira, pois é considerada por muitos como uma das fundadoras da música brasilera, hoje muitos músicos devem um pouco de suas carreiras à Francisca Hedwiges de Lima Neves Gonzaga, ou simplesmente Chiquinha Gonzaga. Pianista, compositora e regente, natural do Rio de Janeiro, Chiquinha venceu diversas barreiras para escrever seu nome na música brasileira e permitir que outros nomes posteriores e também contemporâneos a seu sucesso também se destacassem.

Vencendo vários preconceitos existentes na época contra os músicos e contra as mulheres, Chiquinha compôs a primeira marchinha carnavalesca: Ô abre alas. Destacando-se no chorinho, entre outros sucessos compostos, temos Lua branca, Atraente, Faceiro, Falena, Não venhas, Machuca, Brasileira, Namorados da lua, O namoro, Gaúcho, etc.

Chiquinha foi retratada em minissérie pela Globo em 1999, representada por Gabriela e Regina Duarte, e lançado em 2008 no formato Dvd. Vários intérpretes contemporâneos interpretaram algumas de suas canções como Joanna, Maria Bethânia, Ângela Maria, Daniela Mercury, Emílio Santiago, Alcione, Adriana Calcanhoto, Beth Carvalho, Milton Nascimento, Zé Ramalho, Renato Teixeira, etc. É interessante viajar no tempo e descobrir pessoas que muito contribuíram para nossa música nos dias atuais e isso é uma tarefa prazerosa de todo amante da música brasileira!

Um forte abraço a todos!